Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé

biblioteca / especiais

Abril indígena: aproximando as narrativas dos povos originários do cotidiano escolar

Escrevendo

24 de abril de 2024

O mês de abril tem se consolidado como um período de intensas reflexões sobre a cultura e a história dos povos originários, reconhecendo suas contribuições para a sociedade e para a formação da identidade brasileira.

Até 2022, o 19 de abril era conhecido como o Dia do "Índio", uma palavra que carrega uma visão preconceituosa construída a partir de nosso passado colonial, associando o "índio" a "selvagem", e também escondendo toda a pluralidade de línguas, culturas e modos de viver e ver o mundo das populações originárias. Foi através de um projeto de lei de Joenia Wapichana, a primeira mulher indígena eleita deputada federal, que essa data passou a ser chamada oficialmente de Dia dos Povos Indígenas.

No contexto escolar,  muitas vezes, a celebração dessa data envolvia atividades como pintar o rosto de alunas e alunos com tinta ou fazer montagens com penas, explorando representações rasas e únicas de culturas que são complexas e diversas entre si. Além de reforçar estereótipos, essas ações serviam a uma “pedagogia do evento”, ou seja, abordavam a questão indígena de forma pontual, sem de fato integrá-la ao currículo.

Pensando na importância de professoras e professores se aprofundarem em história e culturas indígenas para incluí-las em seus planejamentos anuais, reunimos nesse especial conteúdos que buscam desconstruir narrativas estigmatizantes e preconceituosas sobre os povos originários e repertoriar as abordagens em sala de aula sobre essas temáticas.

 

Reflexão teórica

  • No artigo Artes verbais indígenas: portais para uma educação pluriversal, a pesquisadora e escritora Macuxi Sony Ferseck mostra como as poéticas indígenas baseadas na oralidade abordam temas como infâncias, espiritualidade e território, estabelecendo uma relação harmônica com a natureza, e apresenta uma reflexão sobre os modos de entender o próprio fazer educacional a partir da pluriversalidade.

  • Em As línguas dos povos indígenas no contexto escolar, o professor de tupi-guarani e indígena de Peruíbe (SP) fala sobre a pluralidade linguística e cultural do Brasil e ainda defende a importância da escola para difundir conhecimentos sobre as culturas indígenas.

  • Já no artigo Pela literatura, conhecer jovens indígenas brasileiros, a autora Marina Almeida parte do exercício comparativo de vivências cotidianas de estudantes ao de crianças e jovens apresentadas(os) em obras literárias indígenas como uma forma de conhecer mais sobre esses povos.

 

Revista Na Ponta do Lápis – Semear, reflorestar e sonhar o Brasil

Conheça a edição nº 40 da revista Na Ponta do Lápis, que reúne diversos conteúdos com enfoque nas línguas, culturas e literatura dos povos indígenas que habitam, cultivam e preservam o território multicultural do nosso país. Neste número você encontra:

 

Podcast Educação na ponta da Língua

Ouça também os episódios História e cultura dos povos indígenas na educação e Línguas e literatura indígena na escola do podcast Educação na ponta da Língua, com experiências reais, desafios e reflexões de educadoras sobre o trabalho com as temáticas indígenas na sala de aula.

 

Literatura indígena

  • Yaguarê Yamã é natural da região do rio Paraná Urariá, Amazonas, e pertence aos povos Maraguá e Saterê-Mawé. Conheça alguns de seus textos literários publicados no Portal Escrevendo o Futuro:

 - A gênese maraguá e a origem do mundo
 - Ka’apora’rãga e as mães da mata
 - Meus olhos bonitos

No Portal, você ainda encontra uma entrevista com o autor e o plano de aula Apresentando a literatura indígena: orientações para a leitura do conto “A gênese Maraguá e a origem do mundo”, de Yaguarê Yamã, elaborado pela pesquisadora e escritora Macuxi Sony Ferseck.

  • Daniel Munduruku é escritor e professor nascido em Belém, Pará, e pertence ao povo indígena Munduruku. Conheça sua crônica Tatuapé. O caminho do Tatu que parte da comparação entre as tocas de tatu e o metrô que perfura o solo de São Paulo para refletir sobre o passado e o presente de regiões da cidade, cujos nomes em línguas indígenas são um dos poucos vestígios da presença desses povos naqueles locais.

Acompanhe as novidades

Imagem de capa de Uma ampliação de Pontos de Vista
sobre o Programa

Uma ampliação de Pontos de Vista

Saiba o que mudou na nova edição do Caderno Docente de artigo de opinião

Imagem de capa de A hora e a vez das biografias
sobre o Programa

A hora e a vez das biografias

Conheça o novo Caderno Docente com atividades sobre o gênero biografia

Imagem de capa de Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas
sobre o Programa

Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas

Confira os conteúdos sobre línguas e literaturas indígenas de autoras(es) de diversas etnias do país

formação docente, educação para as relações étnico-raciais, línguas indígenas, literatura indígena, revista NPL

Comentários


Ninguém comentou ainda, seja o primeiro!

Ver mais comentários

Deixe uma resposta

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar
inicio do rodapé
Fale conosco Acompanhe nas redes

Acompanhe nas redes

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa


Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000

Termos de uso e política de privacidade
Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000