Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé

sua prática / relatos de prática

A produção textual do relato de prática - 2º passo

Margarete Schlatter e Pedro Garcez

04 de agosto de 2023

Conversa vai, conversa vem… E o registro vem quando?

1. Uma história puxa outra, uma reflexão puxa outra: aprendizagens compartilhadas

1. Uma história puxa outra, uma reflexão puxa outra: aprendizagens compartilhadas

Ao reviver os momentos de compartilhamento de experiências na atividade anterior, você também deve ter se lembrado de reflexões que fez a partir das histórias dos outros e de como elas foram contribuindo para a sua própria formação. Muitas vezes, sem sequer nos darmos conta, aprendemos nessa troca diária com colegas o que é valorizado no contexto singular em que atuamos, o que está bem e vale a pena levar adiante, o que não está tão bem assim e pode melhorar, como engajar alunos, alunas, colegas e a comunidade, como driblar as tantas dificuldades diárias e persistir com o pedagógico, como aprender e ensinar mais e melhor.

Esses saberes construídos a partir da prática vão nos formando pessoas-professores(as) dos lugares onde ensinamos. Ao ampliarmos o compartilhamento com colegas de outros espaços educacionais, esses saberes vão construindo um repertório coletivo de conhecimentos teórico-práticos valorizados na profissão.

Na roda-viva da rotina cotidiana e das tarefas que se acumulam, contudo, nossas reflexões profissionais em geral se dissipam em fragmentos da memória pessoal, sem registro ordenado que nos permita revisitar os episódios, rever onde estávamos e onde avançamos, pensar o que somos e fazemos. A falta desse registro também tolhe a nossa reflexão com nossos pares, especialmente aqueles menos próximos, com quem talvez tenhamos muita afinidade no enfrentamento de desafios semelhantes.

Com o esforço de buscar um fôlego a mais para registrar nossa experiência, temos a chance de criar momentos de formação para nós mesmos; ao entrarmos em interlocução com colegas educadoras que fazem a diferença para compartilhar nossos relatos, ficamos um pouco menos sós.

Pé na estrada

Que tal registrar a sua história por escrito?
Retome sua segunda versão do áudio e escreva um relato para um/a colega que não conhece o seu contexto escolar. Conte a sua experiência e diga o que você aprendeu com ela.

2. Tesouro a descoberto: o que posso narrar

2. Tesouro a descoberto: o que posso narrar

Agora vamos ler duas versões de um relato de prática para pensar na seleção do tema central do relato e em como podemos organizar o relato para que essa escolha fique expressa e evidente. Logo abaixo dos relatos, deixamos algumas sugestões de questões para que você reflita enquanto lê. Se quiser, vá fazendo anotações para discutir com os/as colegas sobre o que achou mais interessante neste estágio de produção textual e o que mais você gostaria de saber sobre ele.

Relatos de prática

  • Versão 1: Clique aqui e leia a primeira versão do relato de prática Clássicos: uma ponte entre o passado e o presente, de Michele Mendes Rocha de Oliveira, com comentários e sugestões de foco.

  • Versão 2: Agora, Clique aqui e leia a segunda versão do relato de prática Clássicos: uma ponte entre o passado e o presente, de Michele Mendes Rocha de Oliveira.
Questões para refletir
  • O que você aprendeu com este relato? Você já vivenciou algo semelhante?

  • Que história(s) você teria para contar a partir do ponto de reflexão que o relato propõe?

  • Quais cenas de sua experiência se relacionam à cena da experiência da professora-autora? Como se distinguem? Como se assemelham?

  • Por que você acha que esse aspecto específico foi importante para ela? Para você também é? Por que sim ou por que não?

  • Para quem ela está contando essa história? Como você sabe?

  • Quais ações da sua prática você selecionaria para contribuir ou refutar a reflexão proposta?

  • Há alguma outra voz que você gostaria de conhecer para compreender melhor o que aconteceu?

  • Quais outros detalhes você gostaria de saber para entender melhor o que aconteceu? Se você estivesse ouvindo a história na presença da professora, o que você perguntaria para ela?

3. Conversa vai, escrita vem

3. Conversa vai, escrita vem

Antes de escrever a segunda versão do relato de prática, a Profa. Michele compartilhou a versão inicial com uma colega e teve encontros com ela para conversarem sobre o texto e sobre os comentários. A leitura do relato pelo outro e a conversa sobre a leitura podem ajudar o autor ou a autora a organizar e articular o que foi vivido, analisar o que aconteceu, ponderar sobre destaques, rever e ressignificar o que foi vivido, decidir sobre o que foi mais relevante nessa experiência, buscar novas justificativas, descartar o que não contribui tanto, reler e revisar o texto tendo em vista o propósito, isto é, os efeitos que queremos produzir, e a interlocução projetada, ou seja, o conjunto de leitores a quem queremos endereçar o nosso texto.

Vamos acompanhar mais de perto esse processo de escrita mediado pela leitura e pela conversa. Após a sua leitura das duas versões, converse com colegas, a partir das questões abaixo, sobre o que você observou em relação à construção do foco do relato.

  • o que você aprendeu com o relato que leu;

  • o que você observou no processo de construção do relato da professora-autora em relação à escolha do foco temático, a ajustes à interlocução projetada, à articulação da reflexão e à seleção de informações para sustentar o foco escolhido;

  • possíveis dificuldades que você sente em fazer escolhas sobre o que contar e como contar;

  • estratégias que você usa para lidar com esse desafio na produção textual do seu relato.

4. Tesouro descoberto: o que quero narrar

4. Tesouro descoberto: o que quero narrar

Assim como a Profa. Michele optou por selecionar o tema da escuta atenta e do diálogo com a turma para encontrar caminhos no trabalho de mobilizar os estudantes para a leitura de obras canônicas exigidas pelo currículo, pense no que você gostaria de destacar ao rememorar a experiência que você teve. Para garantir uma boa qualidade discursiva em seu relato de prática, especialmente em relação ao foco, é importante que você delimite bem a unidade temática. Ou seja, nas palavras de Paulo Coimbra Guedes: 

Trate de apenas um aspecto, […] um único seja lá o que for, de preferência o mais importante do narrador que você vai compor para se representar diante dos seus leitores ou do cotidiano que você instituiu para esse personagem. (GUEDES, 2009, p. 120)

[...] de tudo o que aconteceu, só interessa contar aquilo que converge na direção do esclarecimento da questão que vai ser equacionado no texto; outros acontecimentos, fatos, conversas etc., ainda que também ocorridos na mesma ocasião e eventualmente até mais interessantes do que alguns que esclarecem essa ideia central, não vêm ao caso e não devem sequer ser mencionados porque não interessa se as questões são importantes entre si. Interessa se elas são importantes para a narrativa; interessa sua contribuição para o entendimento da ideia central que a narrativa quer passar. (GUEDES, 2009, p. 169)

As razões para esse destaque escolhido por você podem ser muitas, mas é especialmente pertinente e valioso que essa experiência proporcione a você a reflexão pessoal sobre sua prática profissional e assim seja também uma experiência relevante para discussão com colegas educadores da linguagem.

Pé na estrada

Vamos voltar para a produção inicial do seu relato? Leia novamente o que você escreveu e sintetize, em até duas frases:

  • o que você quer contar a colegas a partir do que você vivenciou;

  • o questionamento e a reflexão que isso provoca.

Marque no seu texto onde você menciona esses dois pontos. Pense em como você poderia deixar isso ainda mais expresso e reescreva essas partes do seu relato de prática.

  •  

  •  

  •  

Acompanhe as novidades

Imagem de capa de Contos, minicontos e microcontos na escola: a arte de contar histórias
especiais

Contos, minicontos e microcontos na escola: a arte de contar histórias

Confira sequências didáticas e projetos de escrita para inspirar suas aulas

literatura, microconto, escrita, conto, miniconto, formação leitora, leitura

Imagem de capa de Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas
sobre o Programa

Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas

Confira os conteúdos sobre línguas e literaturas indígenas de autoras(es) de diversas etnias do país

literatura indígena, formação docente, educação para as relações étnico-raciais, revista NPL, línguas indígenas

Imagem de capa de Portal Escrevendo o Futuro renova visual e organização dos conteúdos
sobre o Programa

Portal Escrevendo o Futuro renova visual e organização dos conteúdos

Conheça as novidades que facilitam a experiência de navegação por temas de interesse

programa escrevendo o futuro, portal escrevendo o futuro, formação docente, programa EoF

Imagem de capa de Artigo de opinião: um convite ao diálogo sobre temas de interesse público
especiais

Artigo de opinião: um convite ao diálogo sobre temas de interesse público

Confira oficinas, vídeos, artigos e sequências didáticas que orientam a produção textual

artigo de opinião, produção de texto, juventudes, cidadania, participação política, debate, autoria

Comentários


Ninguém comentou ainda, seja o primeiro!

Ver mais comentários

Deixe uma resposta

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar
inicio do rodapé
Fale conosco Acompanhe nas redes

Acompanhe nas redes

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa


Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000

Termos de uso e política de privacidade
Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000