Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Professores de escolas públicas do país apresentaram projetos no Seminário do Escrevendo o Futuro

Inicio do conteudo

Luiz Henrique Gurgel

 

Dentre os eventos mais importantes do seminário “Práticas de Escrita: da cultura local à sala de aula”, promovido pelo Programa Escrevendo o Futuro em São Paulo nos dias 22 e 23 de junho, esteve a apresentação de 24 projetos desenvolvidos por professores de língua portuguesa em escolas públicas de todo o pais e selecionados por formadores do programa.

Estes professores participaram do curso a distância “Caminhos da Escrita”, criado pelo Escrevendo o Futuro em 2014 e que já formou quase 100 turmas. No curso – que foi selecionado pelo Ministério da Educação para fazer parte do Guia de Tecnologias Educacionais - cada participante deve desenvolver um projeto de práticas de letramento a ser realizado em sala de aula.

Para chegar aos 24 projetos, as formadoras Zoraide Faustinoni e Maria Paula Parisi Lauria enviaram mais de 600 convites e questionários a professores certificados pelo curso. O objetivo era saber se os projetos que formularam poderiam ser colocados em prática.  Elas tiveram 130 respostas e ao final da primeira seleção permaneceram 40 pré-projetos. “Mantivemos contato com esses professores, dando devolutivas a fim de que os projetos entrassem em condições de serem implementados. Era necessário que fossem desenvolvidos neste primeiro semestre, de preferência com finalização próxima à data do seminário. Além disso, era preciso considerar, para o tema, a realidade local, ser um projeto que visasse ao letramento, por meio da leitura e da produção de textos, explorando a multimodalidade e a multiculturalidade”, explica Maria Paula.

Na última fase de seleção permaneceram 24 projetos para o seminário. “Os professores nos enviavam as diferentes versões e nós, avaliadoras, fazíamos as devolutivas no sentido de ‘arredondar’ o projeto para que fosse colocado em prática”, ela lembra. Para a formadora, que também coordena os mediadores do curso “Caminhos da Escrita”, esses projetos dão a oportunidade de conhecer novas experiências e propostas de trabalho desenvolvidas atualmente pelo país. “De maneira geral, o que me chamou a atenção foi a grande diversidade de realidades locais contempladas e também o fato de muitos professores já estarem contando com recursos multimodais no desenvolvimento e na concretização”, concluiu.

 

Professores participantes receberam visitas dos formadores em suas escolas

Antes de virem para São Paulo participar do seminário, os professores que tiveram projetos selecionados receberam a visita de formadores do Escrevendo o Futuro nas escolas em que os executam. Além de conhecer pessoalmente o professor, os estudantes e a comunidade escolar, cada formador teve reuniões de trabalho com os professores para os últimos acertos antes da apresentação no seminário.

A formadora Heloísa Amaral foi conhecer duas ações desenvolvidas por professores que vivem realidades bem distintas. Ela esteve em Marataízes, cidade litorânea do Espírito Santo, onde a professora Marlucia da Silva Souza Brandão criou um projeto com artigos de opinião em que trabalha com o “funk”, o controvertido gênero musical que atrai cada vez mais jovens e adolescentes. Em seguida, Heloísa foi até Dourados, no Mato Grosso do Sul, para ver de perto o trabalho da professora Vera Lucia Pereira Borges Silva na escola que fica numa pequena comunidade rural do município. Ali, Vera Lucia escolheu trabalhar com trava-línguas, recuperando com seus alunos quais eram os mais conhecidos das famílias do lugar. O trabalho conseguiu envolver toda a comunidade do entorno da escola.

Para Heloísa, as duas experiências que pode conhecer demonstraram, mais uma vez, que em escolas onde há articulação e interlocução entre professores, coordenação pedagógica e direção, as chances de êxito no trabalho são sempre maiores. “Na Escola Fazenda Miya, em Dourados, Tânia, a coordenadora pedagógica de lá, participou de toda a construção do projeto com os alunos e sua aplicação”, afirmou. Ela também disse que pode comprovar na prática, nesses locais, “como as escolas são atingidas pela qualidade das propostas de formação para o ensino de língua portuguesa, seja pelo concurso que ocorre nos anos pares, seja pela participação nos cursos de formação dos anos ímpares. Nas duas escolas que visitei, me chamou atenção o reconhecimento da ação do Escrevendo o Futuro como sendo mais que um concurso de textos”, concluiu. 

Clique aqui para ler as sinopses dos projetos que foram apresentados no seminário e quem são seus autores.

Clique aqui para conferir a programação realizada.


Conteúdo relacionado

Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

Fim do conteudo.
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime
 
Conséd
Coordenação técnica
Cenpec
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé