Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Porfª Olímpia
Pergunta:

Olímpia conversa com professores a respeito do relato de prática, um valioso recurso de formação.

 

Leitores queridos,

O texto desta semana convida a todos nós, educadores, a um olhar demorado para a prática em sala de aula, de modo a torná-la fonte de inspiração para os demais professores de nossa escola ou mesmo de nossa rede de ensino.

Trata-se de tomar as experiências vivenciadas com cada turma como objeto de reflexão, promovendo um movimento cuidadoso e potente de análise, capaz de gerar efeitos significativos tanto para quem produz o texto quanto para quem o lê.

Já descobriram qual o foco da nossa prosa? Acertou quem disse ser o relato de prática, o “gênero olímpico dos professores”!

Recentemente, em um encontro presencial, falamos sobre o relato de prática como um valioso recurso para a formação continuada, especialmente em função de enaltecer a singularidade vivida pelo professor e seus alunos, no trabalho com um determinado gênero discursivo, as estratégias utilizadas para transpor dificuldades do percurso e, finalmente, os efeitos do trabalho nas produções escritas da turma.

Mas, antes de continuar, vamos entender melhor o que é o relato de prática? Para tanto, segue o vídeo da professora Margarete Schlatter, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), uma parceira do Programa Escrevendo o Futuro que tem se dedicado às reflexões sobre os textos escritos pelos professores participantes da Olimpíada:

 

Após assistir ao vídeo, pode ser que você tenha pensado em algo como (tal qual ocorreu no encontro de formação): mas, afinal de contas, por que falar no relato de prática, se a edição da Olimpíada, com o concurso de textos, ocorrerá apenas em 2019?

A resposta está justamente no título do meu texto, ou seja, na aposta de eleger o relato de prática como foco da reflexão na formação continuada de professores. Se pensarmos bem, reconheceremos que o exercício de análise da prática educativa é/deve ser uma constante na rotina de um professor e, somado a isso, os relatos carregam modos singulares de explicitar e analisar o vivido, revelando-se, assim, como textos potencialmente favoráveis ao exercício reflexivo sobre a prática, com vistas a tornar o professor um professor-autor-formador.

Nas palavras de Margarete Schlatter e Pedro Garcez (ambos professores da UFRGS), no texto “Relatos de Prática: com a palavra, o professor-autor-formador”, publicado na revista Na Ponta do Lápis (número 29, p. 13):

Assumir-se professor-autor é compreender essa singularidade construída, é tomá-la como conquista própria, fruto de colaboração, na medida em que se pode explicar o que foi feito, como foi feito e por que o que foi feito faz bom sentido educacional, tendo em vista as características e desafios daquele contexto específico, desconhecidos por quem não viveu aquelas experiências.

Já a tarefa de escrita de um relato de prática propicia a construção da identidade de professor-autor que se assume também como formador. O professor-autor-formador expõe publicamente, numa interlocução com colegas ou com outros agentes educacionais, as tomadas de decisão que realizou na prática para lidar com desafios específicos relativos a princípios, métodos e procedimentos de ensino e de avaliação, na produção e no uso de materiais didáticos em sala de aula, consolidando saberes anteriores, colocando em dúvida certas convicções, questionando (pre)conceitos.

 

Conseguem perceber como a produção e a análise de relatos de prática podem contribuir para a formação? Então, se você já é (ou quer ser) um professor participante da Olimpíada, se você é um coordenador pedagógico, diretor, formador, enfim, se você é um educador comprometido com a qualidade da atuação docente, vale a pena apostar - hoje e sempre - nos relatos de prática como modos de analisar e valorizar percursos, estratégias, escolhas e pontos de destaque atrelados ao ensino de gêneros discursivos. Certamente, serão muitos e significativos os efeitos para o processo de ensino-aprendizagem!

Para terminar, uma dica: invista um tempinho para conferir o Especial Relatos de Prática, que conta com o passo a passo para a produção do texto, exemplares de relatos de prática e muito mais.

 

Como sempre, continuo à disposição para continuar a conversa!

Não deixem de enviar perguntas sobre esse ou outro assunto, combinado?

 

Bj, obrigada e até já,

Olímpia

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime
 
Conséd
Coordenação técnica
Cenpec
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé