Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé

sua prática / sala de professoras

Literatura de braços abertos!

Portal Escrevendo o Futuro

06 de agosto de 2023

Literatura de braços abertos!

Literatura de braços abertos!

Para trabalhar a Literatura Negra ou Afro-brasileira, Olímpia indica algumas sugestões de recursos que podem ampliar tanto o repertório teórico docente quanto o repertório literário de professoras(es) e estudantes.

 

Parceiras e parceiros de reflexão,

Recentemente, li Malungos na escola: questões sobre culturas afrodescendentes e educação, de autoria do brilhante professor, poeta, pesquisador e ensaísta Edimilson de Almeida Pereira.

Há obras que chegam até nós pelos ouvidos e provocam uma imediata inquietação: ao escutar a também competente poeta, professora e pesquisadora Neide Almeida falando sobre a relevância, a abrangência e a densidade da discussão ali proposta, foi inevitável perguntar sobre o título; afinal, o que são malungos?

A profa. Neide explicou que malungos “são companheiros que se fazem durante a viagem em navios negreiros; pessoas que tinham travessias comuns e que, por vezes, nem sequer a língua tinham em comum”. No citado livro, em suas primeiras páginas, encontrei a ideia de que “segundo historiadores, malungo era o termo usado pelos cativos para nomear um companheiro durante a desafortunada viagem dos navios negreiros”.

Não demorou nada para a segunda pergunta surgir: então, como compreender os desdobramentos dessa noção no contexto escolar? São muitos, mas aqui cabe, particularmente, a dimensão da discussão da Literatura Negra ou Afro-brasileira nos currículos e, portanto, na “vida na escola”.

Claro que meu intuito não é dar conta de questões de natureza tão complexa, mas provocar uma reflexão que passa, necessariamente, pela compreensão do que o prof. Edimilson chama de uma “tradição fraturada” aliada à Literatura Brasileira (2007, p.187-188):

Do ponto de vista da História da Literatura é oportuno delinear o percurso responsável pela fundamentação daquilo que se convencionou chamar de tradição literária. A tradição, por um lado, institui posições conservadoras que fazem do passado a referência para as atitudes posteriores. Por outro lado, no entanto, a tradição apresenta traços dinâmicos, quando as perspectivas de negá-la ou de reinterpretá-la a situam como fonte de mudanças que apontam em direção ao futuro. A identidade da Literatura Brasileira está ligada a uma tradição fraturada, característica das áreas que passaram pelo processo de colonização. Os primeiros autores que pensaram e escreveram sobre o Brasil possuíam formação europeia; e mesmo aqueles que se esforçaram por exprimir uma visão de mundo a partir das experiências locais tiveram de fazê-lo na língua herdada do colonizador.

[...]

A Literatura Negra ou Afro-brasileira integra a tradição fraturada da Literatura Brasileira. Por isso, ela apresenta um momento de afirmação da especificidade afro-brasileira (em termos étnicos, psicológicos, históricos e sociais); ao mesmo tempo, aborda temas e explicita linhas de pesquisa que se inserem no quadro geral da Literatura Brasileira (...). A Literatura Negra ou Afro-brasileira escrita nesse sistema é, também, Literatura Brasileira, e na medida em que essas linhagens literárias dialogam ou entram em conflito, permitem a expressão das múltiplas vozes que constituem nossa sociedade.


Para dar lugar de destaque a essa reflexão e favorecer a aproximação e o interesse de leitoras(es) pelos temas da Literatura Negra ou Afro-brasileira, o autor passa a dialogar com escritoras e escritores que, em diferentes tempos e escritos, convocam um olhar crítico e amplamente reflexivo sobre questões e obras fundamentais, provocando uma análise primorosa e bastante inspiradora para pensarmos currículos, práticas pedagógicas e a formação de nossas(os) estudantes no campo literário.

Do diálogo entre Edimilson de Almeida Pereira e Luís Silva (Cuti), destaco a pergunta sobre a contribuição da escola no trabalho com a literatura (2007, p.298):

Edimilson - Como a escola pode contribuir para um melhor conhecimento da literatura feita pelos afrodescendentes?

Cuti - Promovendo a leitura. Só a leitura dos textos será capaz de trazer o conhecimento da nossa literatura e, por sua vez, o aprofundamento da própria compreensão e incentivo para a transformação do Brasil em um país mais solidário e com menor índice de crise de identidade nacional. A escola pode, em primeiro lugar, constituir o seu acervo de Literatura Negro-brasileira e disponibilizá-lo às(aos) alunas(os) através da divulgação e da exigência de que essa literatura entre no currículo escolar, faça parte do conteúdo a ser estudado, como manda a Lei 10.639/2003, pois o ensino da Cultura Afro-brasileira inclui o texto literário. Esse é um trabalho que, sobretudo, fará com que as escolas deixem de ser instrumentos do racismo.

Distante de correr o risco de indicar obras e autoras(es) relevantes para promover a leitura ampla anunciada por Cuti – o que, seguramente, deixaria referências essenciais de fora! -, encerro nossa prosa com a indicação de recursos incríveis, capazes de gerar diversificados efeitos formativos, pensando tanto no repertório teórico para estudo docente quanto no repertório literário para professoras(es) e estudantes:

Literafro – Portal da Literatura Afro-brasileira

Revista Na Ponta do Lápis - edição nº 37 e edição nº 39

Afroteca - livros de literatura infantil

Ação Educativa - Indicadores da Qualidade na Educação: relações raciais na escola

Um abraço carinhoso, obrigada e até já,

Olímpia

Acompanhe as novidades

Imagem de capa de Contos, minicontos e microcontos na escola: a arte de contar histórias
especiais

Contos, minicontos e microcontos na escola: a arte de contar histórias

Confira sequências didáticas e projetos de escrita para inspirar suas aulas

conto, literatura, escrita, miniconto, microconto, leitura, formação leitora

Imagem de capa de Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas
sobre o Programa

Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas

Confira os conteúdos sobre línguas e literaturas indígenas de autoras(es) de diversas etnias do país

literatura indígena, línguas indígenas, educação para as relações étnico-raciais, formação docente, revista NPL

Imagem de capa de Portal Escrevendo o Futuro renova visual e organização dos conteúdos
sobre o Programa

Portal Escrevendo o Futuro renova visual e organização dos conteúdos

Conheça as novidades que facilitam a experiência de navegação por temas de interesse

programa escrevendo o futuro, formação docente, programa EoF, portal escrevendo o futuro

Imagem de capa de Artigo de opinião: um convite ao diálogo sobre temas de interesse público
especiais

Artigo de opinião: um convite ao diálogo sobre temas de interesse público

Confira oficinas, vídeos, artigos e sequências didáticas que orientam a produção textual

produção de texto, cidadania, artigo de opinião, debate, autoria, juventudes, participação política

Comentários


Ninguém comentou ainda, seja o primeiro!

Ver mais comentários

Deixe uma resposta

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar
inicio do rodapé
Fale conosco Acompanhe nas redes

Acompanhe nas redes

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa


Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000

Termos de uso e política de privacidade
Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000