Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé

sua prática / reflexão teórica

A sala de aula e o cordel: compromissos para uma prática educativa positiva

Ronaldo Vitor da Silva

06 de setembro de 2021

Rimas, versos bem marcados, enredos envolventes e recitações em voz alta; o trabalho com a Literatura de Cordel em sala de aula é carregado de expectativas de mobilização de estudantes, envolvendo-os numa prática onde a oralidade mescla-se com a escrita e a tradição com o contemporâneo. A Literatura aqui tem uma função ativa, na medida em que desloca o corpo e a voz daqueles que a leem ou produzem.

Consolidada, reconhecida e tombada como patrimônio cultural brasileiro, ao longo dos anos a Literatura de Cordel também conseguiu marcar sua presença no cotidiano escolar. Gestores, docentes, estudantes e comunidade externa à sala de aula: todos compreendem – de alguma maneira – ao menos uma característica que compõe os poemas pertencentes a esse tipo de produção cuja origem é, na maior parte das vezes, direcionada para uma raiz luso-ibérica que minimiza as formas e presença de outros grupos étnico-raciais na sociedade brasileira¹. Se tomada como unilateral, essa afirmação de vínculos transatlânticos, inclusive, mascara as formas como os conflitos, dinâmicas sociais e estratégias de sobrevivência foram mobilizadas para que o Cordel emergisse em solo nacional, especialmente nordestino.

Recriando o mundo através da palavra poética, o trabalho com a Literatura de Cordel em sala de aula precisa de perspectivas docentes seletivas e compromissadas quanto à escolha de repertórios mobilizados, uma vez que a escola é, por excelência, espaço público e de formação, onde são aprendidas, partilhadas e articuladas uma série de normas de promoção cidadã, respeito, autonomia e diversidade. Sob essa ótica, tal como qualquer outro material, os poemas de cordel não devem violar ou cercear a dignidade dos sujeitos, mas sim capacitá-los com referências, autoestima e repertórios que possam ser mobilizados para sua participação positiva na sociedade. Para além da apresentação de uma poética tradicional ou de uma literatura específica, há, no trabalho do docente e do gestor escolar, um compromisso ético-social que se desdobra e deve envolver o texto, a evolução dos leitores e da sociedade civil.

Vejamos, por exemplo, a composição do clássico folheto A chegada de Lampião no Inferno, de José Pacheco: após uma vida repleta de grandes feitos, discussões, fugas e conflitos, o venerado cangaceiro Lampião chega ao inferno acompanhado de seu bando para passar a eternidade. A entrada no ambiente sobrenatural era esperada, já que por lá ele encontraria outros criminosos e homens imorais que, sob essa narrativa, não foram dignos de aceitação divina (no céu). No entanto, por medo de mais confusão, o Diabo não autoriza a entrada do famoso cangaceiro em seus domínios, o que resulta numa revolta sem precedentes. Trocas de tiros, valentia, pedras e paus jogados ao ar, até mesmo socos e pontapés são vistos por toda parte, sem que haja resolução final.

Famoso e reeditado inúmeras vezes, o folheto traz uma série de características que, a partir de pontos de vista estereotipados, configuram a linguagem cordelística: rimas e métricas (tamanho dos versos) bem definidas, humor acentuado, histórias quixotescas, cangaceiros, combates, religiosidade etc. No entanto, quando analisamos atentamente a narrativa encontramos a reafirmação de valores incompatíveis com a promoção de uma sociedade democrática e antirracista, princípios caros para sala de aula.

 

Acabou-se o tiroteio
por falta de munição
mas o cacete batia
negro embolava no chão
pau e pedra que pegavam
era o que as mãos achavam
sacudiam em Lampeão
[...]

Lucifer mais Satanaz
vieram olhar do terraço
todos contra Lampeão
de cacete faca e braço
o comandante no grito
dizia: briga bonito
negrada chega-lhe o aço²

 

Ao associar o ser negro com o pertencimento aos domínios do Diabo ou ao grupo de Lampião – visto como antagonista –, o poema reafirma o tratamento desigual das relações raciais, com ênfase para o rebaixamento da população negra. Se no inferno habitam aqueles que em vida foram imorais, cometeram crimes e não conquistaram o perdão divino, José Pacheco caracteriza esses sujeitos como negros, deixando subentendido que o que cabe para o grupo não são as vitórias, honras ou méritos de um percurso trilhado com dignidade, mas sim o demérito natural. É por isso que ao analisarmos os versos, fica evidente que o confronto se dá entre negros: uns ligados à “Lucifer mais Satanáz” e outros próximos de Lampião. Aliás, a associação entre o negro e figuras diabólicas foi tópico comum nos folhetos de cordel³.

Para além dessa representação direta, o texto também é acompanhado de um processo de desumanização continua dos sujeitos negros, uma vez que o folheto os barbariza por não apresentar qualquer tentativa de diálogo pacífico entre os oponentes. Assim que é rejeitado no inferno, o grupo de Lampião inicia ataques sem fim que são revidados com força igual, ou seja, nenhuma das partes saberia dialogar, sendo violentas e impulsivas por sua condição de baixeza que é – nesse poema – uma condição racial.

É importante que tenhamos em mente que, embora se trate de um folheto clássico e faça parte de uma elaboração poética popular, a Literatura de Cordel é fruto das dinâmicas constitutivas da sociedade brasileira, ou seja, ao mesmo tempo em que possibilita o destaque e reconhecimento para grupos marginalizados, ela também pode reafirmar contradições e preceitos incompatíveis com os propósitos de uma convivência cidadã cotidiana e, enfaticamente, educativa e escolar. Não queremos afirmar aqui que se trata de uma produção necessariamente preconceituosa ou um discurso fechado, mas sim de uma faca de dois gumes: heterogênea e em constante disputa, que se incorpora às tensões presentes em seu espaço de emergência para sobreviver enquanto texto e trabalho para seus(as) produtores(as).

O que constitui a Literatura de Cordel não é seu suporte, local de impressão ou formato de leitura, muito menos a forma como consumimos os textos – se comprados em bancas de jornal ou na internet; mas sim, a estrutura poética com a qual lida com uma realidade. É a reescrita do mundo dentro de versos bem marcados que criam caminhos outros, textos que expressam “imaginariamente o Nordeste, mas expressa ainda mais a capacidade nordestina de imaginar”. Por isso, tal como todo trabalho com literatura, discutir o Cordel em sala de aula também passa pela necessidade de preocupação docente sobre a seleção dos textos, principalmente no que trata das formas de representação de grupos marginalizados, já que más figurações ferem a sociabilidade e se desdobram na manutenção de preconceitos que limitam o bem viver estudantil e a superação de violência simbólicas e concretas da sociedade brasileira.

Mais do que isso, é preciso que seja oferecido aos estudantes a possibilidade de se espelharem e se reconhecerem positivamente em cada verso a partir de suas diferenças e singularidades, que constituem uma riqueza imensurável. Nesse sentido, a Literatura de Cordel já oferece debates abertos com diferentes perspectivas e pontos de enunciação que vão de mulheres, lgbtqia+, negros e indígenas, até homens brancos empáticos com a reorientação do cotidiano para a diversidade. É o caso de nomes como Hamurabi Batista, Jarid Arraes, Bule-Bule e Varneci Nascimento, entre outros que poderão a vir, por exemplo, da sala de aula.

 

No Caderno Docente sobre Poema - material voltado para estudantes do 5º ano do Ensino Fundamental - está disponível a oficina 7, etapa 2, que apresenta uma proposta de leitura do cordel "Dandara dos Palmares", de Jarid Arraes. Clique aqui para ver.

 

1- ABREU, Márcia, Histórias de cordéis e folhetos. Campinas: Mercado das Letras, 1999.

2- Pacheco, José. Chegada de Lampião no inferno (A) [en ligne]. 8p. Disponível em : <http://cordel.edel.univ-poitiers.fr/viewer/show/358> Acesso em 10 de janeiro de 2021

3- MOURA, Clóvis. O preconceito de cor na literatura de cordel. São Paulo: Resenha Universitária, 1976.

4- TERRA, Ruth Brito Lemos. Memórias de lutas: a literatura de folhetos no Nordeste, 1893–1930. São Paulo: Global, 1983.

5- BRASIL. Ministério da Cultura. Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Ata da 89ª Reunião do Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural. Rio de Janeiro, 19 de setembro de 2018. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/atas/ata(3). pdf. Página 19. Acesso em: 8 de janeiro de 2021

 

Sobre o autor

Ronaldo Vitor da Silva é Bacharel em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH–USP) e mestrando do programa Culturas e Identidades Brasileiras do Instituto de Estudos Brasileiros (IEB–USP). Também compõe o Núcleo de Desenvolvimento Institucional do Museu Afro Brasil e integra o Núcleo de Estudos e Pesquisas da Afro-América (NEPAFRO).

Acompanhe as novidades

Imagem de capa de Abril indígena: aproximando as narrativas dos povos originários do cotidiano escolar
especiais

Abril indígena: aproximando as narrativas dos povos originários do cotidiano escolar

Veja o especial que reúne conteúdos sobre literatura e culturas indígenas para auxiliar no planejamento anual de suas aulas

literatura indígena, planejamento docente, formação leitora, ensino de leitura literária, culturas indígenas

Imagem de capa de Uma ampliação de Pontos de Vista
sobre o Programa

Uma ampliação de Pontos de Vista

Saiba o que mudou na nova edição do Caderno Docente de artigo de opinião

Imagem de capa de A hora e a vez das biografias
sobre o Programa

A hora e a vez das biografias

Conheça o novo Caderno Docente com atividades sobre o gênero biografia

Imagem de capa de Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas
sobre o Programa

Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas

Confira os conteúdos sobre línguas e literaturas indígenas de autoras(es) de diversas etnias do país

literatura indígena, educação para as relações étnico-raciais, formação docente, línguas indígenas, revista NPL

Comentários


Ninguém comentou ainda, seja o primeiro!

Ver mais comentários

Deixe uma resposta

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar
inicio do rodapé
Fale conosco Acompanhe nas redes

Acompanhe nas redes

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa


Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000

Termos de uso e política de privacidade
Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000