Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé

biblioteca / educação e cultura

Uma festa para os livros e para a leitura

Marina Almeida

03 de julho de 2024

Na periferia de São Paulo (SP), uma vez por ano, as grades em torno da capela de São Miguel Paulista, a mais antiga da cidade, são cobertas por livros durante a madrugada de domingo. Na segunda-feira pela manhã, as pessoas que passam por ali em direção à estação de trem do bairro podem escolher, entre as obras doadas, as de sua preferência. Junto com os livros, recebem um convite para participar do Festival do Livro e da Literatura de São Miguel (Felili) e um QR Code, que dá acesso à programação completa do evento. A ação abre a semana de atividades da Felili, que conta com uma grande diversidade de autoras(es) locais, além de alguns nomes conhecidos da cena literária.

Em Arcoverde (PE), a Feira Literária do Sertão (Felis) ocupa a praça central da cidade para dar espaço aos cordelistas e repentistas da região, mas também às(aos) autoras(es) de romances, contos, poesias e slam, entre outros gêneros, produzidos no sertão ou fora dele. Em Goiânia (GO), a Feira E-cêntrica promove encontros entre escritoras(es), editoras e artistas gráficas(os) do estado e de outras regiões. A Feira Literária do Amazonas (Flama), em Manaus (AM), também busca valorizar as(os) autoras(es) independentes locais, apoiando a divulgação de seus trabalhos.

Nas diferentes iniciativas, coletivos de escritoras(es), editoras e artistas se organizam para mostrar o potencial do livro e da leitura fora dos grandes centros ou das rotas mais comerciais de produção e circulação de livros. As várias experiências ainda demonstram como os eventos despertam o interesse de jovens pela leitura e pela produção de seus próprios textos.

Veja também: ao final da reportagem, listamos feiras e festivais literários que acontecem em diferentes regiões do Brasil.

Incentivo à produção jovem

Livros para doação pendurados na grade da capela são um convite à população para o Festival do Livro e da Literatura de São Miguel, na zona leste de São Paulo.
Livros para doação pendurados na grade da capela são um convite à população para o Festival do Livro e da Literatura de São Miguel, na zona leste de São Paulo.

“Rodear a capela de livros é uma forma de mostrar o bairro de São Miguel Paulista como um polo cultural, além de convidar os passantes para participar. Queremos que as pessoas percebam que na nossa região há uma produção cultural de qualidade”, diz Claudemir “Darkney” Santos, membro do coletivo Aldeia Satélite, que organiza o festival. Por esse motivo, a programação dá destaque aos autores locais. “Esta é uma região de grande importância cultural, mas que se tornou um bairro dormitório. Com isso, as opções do território são invisibilizadas, o que se soma ao pouco interesse do poder público em valorizar esses espaços. Procuramos prestigiar a produção de arte e cultura daqui”, diz Claudemir, que é professor e escritor.

Para ele, esse reconhecimento também permite que o jovem possa se espelhar nessas(es) autoras(es), mais próximas(os) de sua realidade. Claudemir conta que, todo ano, o Felili promove um concurso literário. Em 2023, o tema foi poesia jovem – uma oportunidade para muitas(os) moradoras(es) da região publicarem seus primeiros textos. “Essa visibilidade é muito importante”, defende.

A Feira Literária do Sertão (Felis) também incentiva a produção de novas(os) autoras(es). Cleber Araújo, membro-fundador do Coletivo Cultural de Arcoverde (Cocar), que organiza a feira, conta que, além das trocas entre escritoras(es), artistas e público, muitos começaram a escrever após participar do evento. “As pessoas veem que ser escritor não é algo inatingível, se sentem estimuladas e novos talentos começam a aparecer”, ressalta.

E-cêntrica, feira de publicações independentes, em Goiânia. Fotografia de Layza Vasconcelos.
E-cêntrica, feira de publicações independentes, em Goiânia. Fotografia de Layza Vasconcelos.

Em Goiânia, Larissa Mundim também vê esse movimento das feiras promovendo a escrita e a divulgação de novos trabalhos. “Não é raro a gente ver uma pessoa visitando a feira algumas vezes e, algumas edições depois, encontrá-la do outro lado da mesa, com sua própria produção em exposição”, diz. Ela conta que a própria programação da E-cêntrica busca estimular as(os) participantes a criarem suas editoras de zines, a transformarem seus desenhos em trabalhos gráficos e a editarem seus próprios livros. Ela ainda destaca o interesse das(os) jovens: “eles têm muito a dizer e passam a criar, de maneira autônoma, seus veículos de comunicação e estratégias de circulação, seja participando de uma atividade nossa, criando uma feira na escola ou um sarau”, diz Larissa, da editora negalilu, que atua na organização do evento. Para o estímulo à leitura, ela ainda ressalta o papel do livreiro, que funciona como um mediador, incentivando a juventude a se aproximar desse livro independente de alta qualidade.

Flama - Feira Literária do Amazonas.
Flama - Feira Literária do Amazonas.

Jan Santos, que participa da organização da Flama, em Manaus (AM), conta que a maioria dos participantes do evento são adolescentes e jovens, que demonstram muito interesse não só em conhecer, mas em fazer suas próprias produções. “Democratizar a cultura não é só oferecer uma sala de cinema ou uma biblioteca, mas ensinar também a criar. Percebemos que os jovens têm interesse em produzir sua arte com autonomia. Eles são curiosos e querem participar do processo, não apenas do produto final”, defende. Para ele, a feira também é importante por quebrar essa ideia da(o) escritora(or) como uma entidade distante da realidade da maioria das pessoas. “Eventos como o nosso ajudam a mostrar que nós também podemos ser essa pessoa que escreve”, diz Jan, que é também escritor e professor.

Flama

A Feira Literária do Amazonas teve sua primeira edição em 2020, de forma on-line, com a proposta de um espaço para produção e divulgação da literatura independente da região, apesar do momento de isolamento social que o País vivia. Ela foi financiada por um edital da lei Aldir Blanc. Já a segunda edição, em 2023, ocorreu sem nenhum investimento público. Jan explica que o Coletivo Visagem, de autores amazonenses de fantasia e ficção científica, responsável pela Flama, organizou o evento no espaço da Biblioteca Pública do Amazonas, que também colaborou com a divulgação, e conseguiu apoio de uma gráfica para a impressão de banners. As atividades, porém, foram todas realizadas de forma colaborativa e independente pelo grupo.

Em sua programação, a feira conta com oficinas, bate papos sobre temas diversos e espaço para a exposição das(os) escritoras(es) e editoras independentes. “Além do contato dos artistas com o público, a feira permite que as várias iniciativas possam se aproximar e trocar entre si. É muito importante que os autores independentes se conheçam e se articulem, porque sozinhos não conseguimos chegar muito longe”, explica Jan. Entre as atividades realizadas, ele cita como exemplos a oficina para crianças de livretos ilustrados, a de ilustração de livros e a de transposição de textos para mídias como podcasts e audiobooks. A diversidade, com inclusão de autores LGBTQIAPN+, por exemplo, é outra preocupação da feira, assim como debates sobre temas como ensino de literatura e a produção voltada para crianças e jovens.

Jan ressalta a necessidade de mais eventos literários na região Norte do País e explica que ainda não está definido se haverá uma edição da feira este ano ou apenas em 2025. Uma das dificuldades, segundo ele, é a falta de editais em ano eleitoral. “Precisamos entender a arte como um trabalho, que também precisa de investimentos”, defende.

E-cêntrica

E-cêntrica, feira de publicações independentes, em Goiânia. Fotografia de Layza Vasconcelos.
E-cêntrica, feira de publicações independentes, em Goiânia. Fotografia de Layza Vasconcelos.

Organizada por editoras independentes, a E-cêntrica, em Goiânia (GO), é um espaço de formação e debates. “Nosso objetivo é promover um grande encontro entre escritores, artistas gráficos e público”, explica Larissa. Em sua sexta edição, a feira reserva metade de seu espaço para a produção local, o restante é aberto para exposição de outras regiões do Brasil. “Muitas editoras independentes precisam criar seus modos próprios não somente de existir, mas de circular, já que não trabalham com grandes distribuidoras”, defende.

O evento conta com oficinas, minicursos, bate papos, palestras, lançamentos, saraus, slams e performances, além da exposição de livros e artes gráficas. Larissa conta que pequenas versões da feira também acontecem no interior do estado, geralmente nas cidades de Goiás, Pirinopólis e Goianésia. Sobretudo nessas localidades, é comum receber visitas de escolas. “Vejo a feira como um tempo-espaço estimulante para a criatividade. Reunimos todo tipo de gente em torno do livro, da literatura, da poesia e das artes gráficas”, diz.

Felis

Cordéis expostos na Feira Literária do Sertão (Felis).
Cordéis expostos na Feira Literária do Sertão (Felis).

Em Arcoverde, a Feira Literária do Sertão (Felis) surgiu em 2016 a partir da demanda de escritoras(es) da região, sobretudo cordelistas. Em 2018, a Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) se tornou parceira da feira, que cresceu e passou a agregar novas atividades. “Criamos uma mostra de cinema de produtores locais e um espaço para debates sobre políticas públicas de livro e leitura com cidades da região, por exemplo”, explica Cléber. Os estabelecimentos gastronômicos também passaram a apoiar o evento, com vendas na praça ou referências à Felis em seu cardápio.

Contação de histórias para crianças durante a Feira Literária do Sertão (Felis).
Contação de histórias para crianças durante a Feira Literária do Sertão (Felis).

“A feira começou a envolver a comunidade, a receber visitas de estudantes e até aulas acontecem no ambiente da feira, na praça central de Arcoverde”, relata Cléber. Atividades descentralizadas, de formação, também passaram a ser oferecidas em escolas e na biblioteca. Além disso, por sugestão das(os) educadoras(es) da região, foi criada a Felisinha, um dos grandes sucessos da feira. Trata-se de um espaço reservado para as crianças lerem, participarem de atividades de contação de histórias e brincadeiras populares no contexto de incentivo à leitura.

Varal de desenhos de crianças, feito durante a Feira Literária do Sertão (Felis).
Varal de desenhos de crianças, feito durante a Feira Literária do Sertão (Felis).

“Também temos uma preocupação com a inclusão de múltiplas linguagens, como a literatura oral através dos violeiros repentistas e fazendo um link com a poesia mais contemporânea das batalhas de slam”, explica. A música também é muito presente na feira, tanto que na Felis de 2019 surgiu o Movimento Arcoverdense de Música Autoral. Cleber ainda ressalta a importância de promover debates com gestoras(es) de municípios do sertão pernambucano sobre o incentivo ao livro e à leitura. O coletivo Cocar também busca levar as discussões para a zona rural e espaços como o Quilombo Mundo Novo, que já recebeu atividades da pré-Felis em seu território.

Apesar dos muitos frutos, os desafios também são grandes. Cléber conta que a parceria com a Cepe acabou, devido ao fim do projeto na editora, e que foi difícil conseguir recursos para realizar a feira em 2023. Em 2024, a sexta edição está prevista para ocorrer em setembro e o coletivo já está à procura de parceiros. “Buscamos apoios da prefeitura, do Sesc... Os cursos de Pedagogia, História e Letras da Autarquia de Ensino Superior de Arcoverde também costumam apoiar com pessoal e infraestrutura”, conta. Ele explica que a parceria com editoras é mais difícil por ser uma feira ainda pequena em comparação às que acontecem na capital do estado.

Felili

O Festival do Livro e da Literatura de São Miguel, na zona leste de São Paulo, teve início há 15 anos, organizada pelo Instituto Tide Setubal, mas desde 2021 sua produção e gestão é realizada pelo Coletivo Aldeia Satélite, da região. A cada ano a programação gira em torno de um tema – o de 2024 é “Diásporas & Decolonizações: uma navegação literária, precisa e necessária”. Entre as atividades deste ano, Claudemir destaca a realização de uma oficina de produção audiovisual e o concurso literário com a participação de autoras(es) da região, além de Angola e Moçambique.

Para que o festival não se resuma a sete dias de atividades, Claudemir explica que são realizados eventos on-line e oficinas pontuais durante o ano, culminando na semana da Felili em novembro. As ações presenciais acontecem em instituições apoiadoras, além de escolas. “Uma das nossas preocupações é formar leitores, por isso, para nós, é essencial que os estudantes tenham acesso a oficinas de escrita, de livros cartoneiros ou artesanais e bate papo com autores”, defende. Ele conta que o grupo já tem parceria com algumas escolas, ainda que a gestão estadual tenha dificultado as ações no último ano. Claudemir diz que os alunos são bastante receptivos: “as oficinas, muitas vezes, são aplicadas por jovens, escritores negros ou coletivos que são da região, que vão ter uma linguagem que dialoga mais diretamente com esses estudantes.”

Em sua programação, a Felili também se atenta à equidade de gênero e cor/raça dos participantes, além do foco em autoras(es) que promovam a reflexão sobre a realidade social. O festival também conta com a venda de livros das editoras parceiras, que acontece de forma on-line.

Para quem tem interesse em organizar um evento literário no seu município ou instituição de ensino, Claudemir sugere valorizar os talentos e conhecimentos das pessoas da região. “Na escola, por exemplo, muitos estudantes escrevem. É possível organizar um sarau ou publicar esses textos em livros artesanais”, diz. Ele ainda destaca a importância de avaliar o aluno de acordo com suas possibilidades: “é preciso saber valorizar a beleza do que ele produziu”.

 

Conheça outras feiras e eventos literários pelo Brasil:

Conheça outras feiras e eventos literários pelo Brasil:

Listamos aqui alguns eventos literários importantes de diferentes regiões do País. Conhece outros? Compartilhe nos comentários!

Norte (clique na seta para ver a lista)
  • Feira Pan Amazônica do Livro e das Multivozes: considerada o maior evento literário do Norte do Brasil, a feira, que acontece em Belém (PA), foi declarada patrimônio cultural e imaterial do Pará. O evento promove rodas de conversas, saraus, encontros literários, peças teatrais infantis e contação de histórias, entre outras atividades, com destaque para escritoras(es) e artistas da região amazônica. Por meio de parcerias com prefeituras do interior, o evento, que é organizado pelo governo do Pará, também apoiou a realização de feiras nos municípios de Cametá, Santarém e Bragança, além da Feira do Livro de Castanhal e da Festa Literária Internacional do Xingu (Flix), em Altamira. Site: https://feiradolivroedasmultivozes.com.br/

  • Festa Literária Internacional do Xingu (Flix): acontece em Altamira (PA) e é organizada pelo campus local da Universidade Federal do Pará (UFPA). Conta com oficinas, debates, apresentações culturais e lançamentos de livros, além de passeios de balsa e de caiaque. Instagram: @flix.xingu

  • Feira do Livro de Castanhal: promovida pela Academia Castanhalense de Letras, realiza saraus, rodas de conversa, projeção de filmes, contação de histórias, palestras, oficinas e apresentações artísticas. Em 2023, o apoio da prefeitura ainda garantiu que os educadores municipais recebessem um cartão no valor de R$200 para adquirirem livros na feira. Instagram: @academiacastanhalensedeletras

  • Feira Literária do Amazonas (Flama): buscando valorizar escritores e editoras independentes da região, a Flama promove oficinas diversas, bate-papos e espaço para a exposição de livros. Sua primeira edição aconteceu de forma on-line, por conta da pandemia, e a segunda foi realizada em Manaus (AM). É organizada pelo Coletivo Visagem. Instagram: @feiraliterariadoam

  • Feira do livro do Sesc: em Manaus (AM) também acontece a feira organizada pelo Sesc, que chegou a 38ª edição em 2023. Promove atividades como contação de histórias, shows, saraus, bate-papos, palestras, oficinas e sessões de autógrafos, além de reunir as principais editoras e livrarias do Amazonas. Site: www.sesc-am.com.br/

  • Feira Literária Portuense: realizado em Porto Nacional (TO) e organizado pela prefeitura do município, o evento conta com palestras, oficinas, lançamentos e venda de livros. Em 2023, chegou à sua 5ª edição.

  • Feira de Literatura, Arte e Cultura da Amazônia: promovida pela Academia de Literatura, Arte e Cultura da Amazônia (Alaca), a feira conta com shows, palestras e lançamentos de livros. O primeiro evento ocorreu em 2023, em Boa Vista (RR).

  • Feira Roraimense de Quadrinhos: com rodas de conversas, sorteios e exposição de livros, mangás e quadrinhos autorais, o evento acontece em Boa Vista (RR). É organizado por um grupo de quadrinistas locais. Instagram: @feiraroraimensedequadrinhos

Nordeste (clique na seta para ver a lista)
  • Bienal do livro da Bahia: conta com mesas de debates, sessões de autógrafos e exposição de livros de diversas editoras, além de espaço infantil. Acontece em Salvador (BA) e é promovida pelo MinC e governo da Bahia. Site: bienaldolivrobahia.com.br Instagram: @bienaldolivrobahia

  • Festa Literária Internacional de Cachoeira (Flica): debates, oficinas de leitura, apresentações culturais, lançamentos de livros, apresentação de documentários, contação de histórias, teatro, saraus e visitas literárias por locais históricos fazem parte da Flica, que ainda conta com uma programação voltada para crianças. Realizada pela Fundação Hansen Bahia, o evento literário é considerado o maior do Nordeste e acontece em Cachoeira (BA). Site: http://flica.com.br/ Instagram: @flicaoficial

  • Feira Literária de Campina Grande (FLC): feira de economia colaborativa de livros e cordéis, apresentações artísticas, oficinas, lançamentos de livros e encontro de cordelistas, além de atividades para crianças e escolas. Realizada em Campina Grande (PB), o evento foi criado por quatro educadores da região. Site: https://flicfeira.com.br/ Instagram: @flicfeira

  • Feira Literária do Sertão (Felis): palestras, bate papos, oficinas, apresentações musicais e lançamentos de livros fazem parte da programação da Felis, que também conta com atividades voltadas para o público infantil. Acontece em Arcoverde (PE) e é organizada pelo Coletivo Cultural de Arcoverde (Cocar). Instagram: @felis.arcoverde

  • II Feira da literatura cearense: oficinas, bate papos com autores, contação de histórias, saraus, apresentações artísticas e exposição e venda de livros fazem parte do evento. Acontece em Fortaleza (CE) e é organizada pelo MinC e governo do Ceará. Instagram: @feiradaliteraturacearense

  • Festival Literário e Cultural de Feira de Santana (FLIFS): bate-papo com escritores, oficinas, minicursos e espetáculos de música, teatro, circo e multilinguagens fazem parte da programação da FLIFS, que também conta com atividades para crianças na Flifinha, além de expositores de diversas editoras. O evento, que acontece em Feira de Santana (BA), surgiu da mobilização de educadores da região. Site: https://flifsoficial.uefs.br/ Instagram: @flifsoficial

  • Feira de literatura de Cordel do Sertão: acontece em Serra Talhada (PE), com venda de livros, exposições, debates, oficinas, recitais de cordel, apresentações literárias e musicais, teatro e banda de pífanos. Produzida pelo Museu do Cangaço, Fundação Cultural Cabras de Lampião e Agência Cultural, a 2ª edição aconteceu em 2022. Site: https://museudocangaco.com.br/feira-de-cordel-2022/

  • Feira Literária do Poeta Castro Alves (Flipo): lançamentos de livros, oficinas, mesas literárias, apresentações culturais, exibição de curtas-metragens e feira de artesanatos são algumas das atrações do evento, que acontece em diferentes espaços do município de Castro Alves (BA). A Flipo é uma realização da prefeitura e do Governo da Bahia. Instagram: @flipooficial

  • Feira Literária de Aracati, Sobral e Icó (Flasi): oficinas de escrita criativa, contação de histórias, palestras, exibição de documentário, saraus, bate-papos e apresentações culturais, além de feira literária, acontecem em Aracati, Sobral e Icó, em diferentes datas. O evento é organizado pelo governo do estado do Ceará. Instagram: @feiraliterariace

  • Festa Literária Internacional de Barreiras: conta com apresentações musicais, lançamentos e feira de livros, artesanatos, roda de conversas e debates. Em sua 7ª edição, o evento é realizado pela Prefeitura de Barreiras (MA).

  • Feira de Cordel: em sua terceira edição, é realizada pela Fundação Cultural de João Pessoa (Funjope) e Academia de Cordel do Vale do Paraíba e acontece em João Pessoa (PB). Entre as atividades, há declamações de cordelistas, shows e exposição de cordéis.

  • Festival Literário do Agreste (Fliagreste): em Caruaru (PE), o evento promovido pela prefeitura conta com palestras, mesas-redondas, oficinas e shows musicais, além da exposição e venda de obras literárias.

  • Feira Literária Internacional de Cabaceiras do Paraguaçu (Flipar): debates, apresentações artísticas, oficinas, lançamentos de livros e contação de histórias fazem parte da programação da feira de Cabaceiras do Paraguaçu. O evento é promovido pela prefeitura municipal e Instituto Preservar. Instagram: @fliparcabaceiras

  • Festival Recifense de Literatura A Letra e A Voz: em sua 20ª edição, o evento em Recife (PE) realiza mesas de debate, recitais, shows, saraus, contações de histórias e lançamentos de livros. É promovido pela prefeitura. Instagram: @culturadorecife

  • Bienal Internacional do Livro de Pernambuco: maior evento literário do nordeste, a bienal conta com exibição de filmes, debates, palestras e lançamento de livros, além de uma programação infantil. É uma realização da Cia de Eventos, Ideação, VOX, Ministério do Turismo, Ministério da Cultura e Governo Federal. Site: https://bienalpernambuco.com/ Instagram: @bienalpe

Centro-Oeste (clique na seta para ver a lista)
  • Feira E-cêntrica: organizada por editoras independentes, conta com oficinas, minicursos, bate-papos, palestras, lançamentos, saraus, slams, performances e exposição de livros e artes gráficas. Acontece em Goiânia (GO) e versões menores da feira costumam ser realizadas em cidades do interior do estado, como Goiás, Pirinopólis e Goianésia. Instagram: @ecentrica

  • Festa Literária de Pirenópolis (Flipiri): na cidade histórica de Pirenópolis (GO), a Flipiri traz palestras, lançamentos de livros, encontros com escritores, saraus, apresentações musicais e teatrais, caminhada poética e oficinas. É realizada pelo Instituto Casa de Autores e Secretaria de Educação de Pirenópolis. Site: https://flipiri.com/

  • Feira Literária de Bonito (FLIB): debates, mesas-redondas, oficinas de escrita, venda e lançamento de livros, contações de histórias e atividades para as crianças fazem parte das ações da feira de Bonito (MS), que é organizada pelo Instituto Imolé e tem diversos apoios governamentais. Instagram: www.flibonito.com

  • A Feira do Livro de Brasília (Felib): encontros de clubes de leitura, apresentações artísticas, lançamentos, bate-papo, contações de histórias, mostras, exposições e oficinas fazem parte da programação da Felib, que também conta com um grande espaço para divulgação de livros. A feira de Brasília é uma iniciativa da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Distrito Federal e deve chegar a sua 38ª edição em 2024. Instagram: @feiradolivrobrasilia

  • Festa Literária do Sesc (FliSesc): realizada em duas unidades do Sesc Mato Grosso – Arsenal, em Cuiabá, e Rondonópolis –, o evento promove debates, encontros com autores, oficina de lettering e feira de troca de livros, além de apresentações de teatro, música e literatura. A FliSesc ainda promove a Feira do Livro de Mato Grosso, reunindo livrarias, editoras e escritores para divulgar suas obras. Site: www.sescmt.com.br/

Sudeste (clique na seta para ver a lista)
  • Festival do Livro e da Literatura de São Miguel (Felili): a programação da Felili, que é realizada no bairro de São Miguel Paulista, na zona Leste da cidade de São Paulo, inclui debates, oficinas, intervenções literárias, saraus, apresentações musicais, peças teatrais e feira do livro, além de atividades exclusivas para estudantes, realizadas nas escolas. Ao longo do ano, diversas ações também acontecem de forma virtual, com transmissão on-line. É organizada pelo coletivo Aldeia Satélite. Instagram: @felili.oficial YouTube: www.youtube.com/@felili.oficial

  • Festa Literária das Periferias (FLUP): realizada na cidade do Rio de Janeiro, em territórios tradicionalmente excluídos dos programas literários, a FLUP é precedida por um programa formativo para escritores dessas áreas. Declarada patrimônio cultural de natureza imaterial do Estado do Rio de Janeiro, a Flup promove debates, oficinas, batalhas de slam, shows, entre outras ações. É realizada pelo Grupo Pensar, Suave na Nave, Ministério da Cultura e Governo Federal. Site: https://www.flup.net.br/ Instagram: @fluprj

  • Festival Literário de Araxá (Fliaraxá): Criado pela Associação Cultural Sempre um Papo, conta com programação infantojuvenil e musical, além dos eventos com autores regionais, nacionais e estrangeiros. Saraus, bate papos, oficinas e contação de histórias fazem parte da extensa programação do evento de Araxá (MG). Site: https://fliaraxa.com.br/ Instagram: @‌fliaraxa

  • Feira Miolo(s): promovida pela Biblioteca Mário de Andrade e a Lote 42, a feira acontece em São Paulo (SP) e reúne artistas gráficos e editores independentes. São promovidas também oficinas e debates voltados para formação de artistas e editores independentes. Site: https://www.feiramiolos.com.br/ Instagram: @feiramiolos

  • Festa Literária Pirata das Editoras Independentes (Flipei): organizada pela editora Autonomia Literária e a Rizoma Livros, a Flipei promove debates, slams, shows e lançamentos. A última edição foi realizada em Paraty (RJ) e em 2024 será em São Paulo (SP). @flipeioficial

  • Festival Literário Internacional de Petrópolis (Flipetrópolis): com sua primeira edição ocorrida em 2024, o evento contou com debates com grandes nomes da literatura nacional, shows e sessões de autógrafos, além de contação de histórias e peças teatrais na programação infantil. Acontece em Petrópolis (RJ) com realização do MinC e Governo Federal. Site: https://flipetropolis.com.br/ Instagram: @flipetropolis

  • Feira Literária da Zona Sul (Felizs): idealizada pelo Sarau do Binho, a feira, que acontece em São Paulo (SP) conta com apresentações musicais, oficinas culturais, saraus, debates, exposições de artes visuais, intervenções literárias, de dança, teatro e música. Tem foco em autoras(es) da periferia e editoras independentes. Outra ação é a arrecadação de recursos para a “moeda literária”, um valor destinado às escolas públicas e coletivos culturais, para que possam escolher e comprar os livros em exposição na feira. Site: http://www.felizs.com.br/ Instagram: @felizs_zs

  • Festival Literário Internacional de Paracatu (FliParacatu): debates, oficinas, slams e shows, além de concurso de redação e atividades para crianças fazem parte da programação do evento de Paracatu (MG), realizado pelo MinC e Governo Federal. Site: https://fliparacatu.com.br/ Instagram: @fliparacatu

  • Festa Literária de Santa Teresa (FLIST): bate-papos, mesas redondas, lançamentos de livros, contação de histórias, apresentações artísticas e musicais fazem parte da programação do evento, que acontece no bairro de Santa Teresa, no Rio de Janeiro (RJ). A FLIST é realizada pela prefeitura da cidade. Site: https://flist.org.br/ Instagram: @flist_ceat

  • Festival Internacional do Livro de Poços de Caldas (Flipoços): encontros com escritores, debates, shows e uma programação específica para crianças e jovens fazem parte da Flipoços, que também promove um concurso estudantil de desenhos e redações. O evento acontece em Poços de Caldas (MG) e é realizado pela prefeitura, MinC e Governo Federal. Site: https://www.flipocos.com/ Instagram: @flipocos

  • Festival Literário de Itabira (Flitabira): a cidade onde nasceu o poeta Carlos Drummond de Andrade também tem um evento literário. Em Itabira (MG), a programação conta com debates, slam, sessões de autógrafos, contação de histórias, apresentações culturais, shows e concurso de redação para estudantes. A realização é do MinC e Governo Federal. Site: https://flitabira.com.br/ Instagram: @flitabira

  • LER – Festival do Leitor: oficinas, rodas de conversa, saraus, contação de histórias, intervenções poéticas, peças teatrais, exposições artísticas e shows fazem parte do evento, que acontece no Rio de Janeiro (RJ). É promovido pela Ler Cultural e MinC. Site: https://www.lersalaocarioca.com.br/ Instagram: @lerfestivaldoleitor

  • Feira Literária de Tiradentes (FLITI): na histórica Tiradentes (MG), acontecem espetáculos musicais, exposições, mesas de debate, contações de história e lançamentos de livros, além de atividades para crianças no Ônibus Biblioteca. A realização é da Korporativa, MinC e Governo Federal. Site: https://fliti.org.br/ Instagram: @flitifeiraliterariatiradentes

  • Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto: oficinas de artes, aulas, encontros com escritores, sessões de autógrafos, exposições, conferências e apresentações musicais compõem a programação do evento de Ribeirão Preto (SP). A feira é uma realização da Fundação do Livro e Leitura de Ribeirão Preto, Prefeitura Municipal, Governo do Estado de São Paulo, MinC e Governo Federal. Site: https://www.fundacaodolivroeleiturarp.com/

  • Festa Internacional do Livro de Paraty (Flip): considerada um dos principais festivais literários do Brasil e da América do Sul, a Flip acontece há 20 anos em Paraty (RJ). Organizada pela Associação Casa Azul, promove palestras, discussões, oficinas literárias e eventos paralelos para crianças (Flipinha) e jovens (Flipzona). Além da programação oficial, que traz convidados de renome nacional e internacional, editoras independentes também promovem uma série de atividades paralelas nos dias de evento. Site: https://www.flip.org.br/ Instagram: @flip_se

  • A Feira do Livro: em São Paulo (SP), o evento promove palestras e debates sobre livros e leituras, além de uma programação voltada para professores e educadores, além de contar com a presença de diversas editoras. É uma realização da Associação Quatro Cinco Um e da Maré Produções. Site: https://www.afeiradolivro.com.br/ Instagram: @afeiradolivro

  • Bienal Mineira do Livro: em Belo Horizonte (MG), a bienal promove sessões de autógrafos e de bate-papo de autores com o público, além de uma feira com diversas editoras. É promovida pela Câmara Mineira do Livro e a empresa Fagga. Instagram: @bienalmineiradolivro

  • Bienal Internacional do Livro de São Paulo: com debates, bate-papos, sessões de autógrafos e uma enorme gama de editoras participantes, a feira de São Paulo (SP) é considerada o maior evento cultural da América Latina. É uma realização da Câmara Brasileira do Livro, Minc e Governo Federal. Site: https://www.bienaldolivrosp.com.br/ Instagram: @bienaldolivrosp

  • Bienal do Livro Rio: promove debates e palestras, apresentações culturais e atividades para as crianças, além de uma grande exposição de livros. Acontece na cidade do Rio de Janeiro (RJ) e é uma realização da Exibitions e Sindicato Nacional dos Editores de Livros. Site: https://bienaldolivro.com.br/ Instagram: @bienaldolivro

Sul (clique na seta para ver a lista)
  • Feira do Livro e Semana Literária de Cruz Alta: bate-papos, sessões de autógrafos e apresentações de teatro e dança, além de organizar visitas de escolas ao evento. É promovida pela prefeitura de Cruz Alta (RS).

  • Feira do Livro de Porto Alegre: declarada Patrimônio Imaterial de Porto Alegre (RS), é um dos maiores eventos culturais da região. A feira conta com sessões de autógrafos, mesas-redondas, oficinas, palestras e apresentações artísticas, entre outras atividades. É produzida pela Câmara Rio-grandense do Livro. Site: https://feiradolivro-poa.com.br/

  • Festival da Palavra de Curitiba: promove palestras, espetáculos, oficinas e bate-papos na capital paranaense, além de uma feira de livros com diversas editoras. É uma realização da Prefeitura de Curitiba, Fundação Cultural de Curitiba e Instituto Curitiba de Arte e Cultura.

  • Feira do Livro de Joinville: encontro com autoras(es), contação de histórias, palestras e apresentações culturais fazem parte da programação. O evento de Joinville (SC) é uma realização do Instituto da Cultura e Educação. Site: https://feiradolivrojoinville.com.br

  • Feira do Livro de Florianópolis: Slam, palestras e debates fazem parte da programação do evento, que ocorre em Florianópolis (SC). A realização é do Instituto Arco íris, Comunicação Cultural e Esportiva e Prefeitura Municipal. Instagram: @feiradolivrofloripa

  • Feira do Livro de Criciúma: organizado pela Fundação Cultural de Criciúma, o evento na cidade catarinense promove apresentações culturais, rodas de debates e discussões com escritores locais.

  • Semana Literária Sesc PR e Feira do Livro: lançamento de livros, bate-papos, oficinas, apresentações teatrais e musicais, além de espaços para a leitura e para exposição e venda de livros. Acontece em Curitiba (PR) e é promovida pelo Sesc PR.

  • Salão do Livro da Serra Catarinense: com shows de música e dança, teatro, lançamento de obras literárias, palestras e venda de livros, o evento acontece em Lages (SC). É promovido pela Fundação Cultural de Lages (FCL).

  • Bienal Internacional do Livro de Jaraguá do Sul: contação de histórias, palestras, debates e lançamentos de livros fazem parte da programação, em Jaraguá do Sul (SC). É uma realização da Design Cultural. Site: https://www.bienaljaragua.com/ Instagram: @bienaljaragua

Acompanhe as novidades

Imagem de capa de O que cabe no poema?
especiais

O que cabe no poema?

Confira o especial que reúne conteúdos diversos como planos de aula, sequências didáticas, artigos e entrevistas sobre o gênero textual poema.

gênero textual, poema, formação leitora, planejamento docente, produção de texto, literatura, poesia

Imagem de capa de Uma caminhada pela memória negra das cidades brasileiras
educação e cultura

Uma caminhada pela memória negra das cidades brasileiras

Leia a entrevista com Guilherme Soares Dias, idealizador do Guia Negro, projeto de turismo que promove caminhadas pelas histórias e culturas negras em 30 cidades e 21 estados brasileiros.

Guia Negro, oralidade, letramento racial, movimento negro, educação antirracista, cidadania, turismo

Imagem de capa de A hora e a vez das biografias
sobre o Programa

A hora e a vez das biografias

Conheça o novo Caderno Docente com atividades sobre o gênero biografia

Imagem de capa de Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas
sobre o Programa

Na Ponta do Lápis: revista chega ao número 40 com edição especial sobre culturas indígenas

Confira os conteúdos sobre línguas e literaturas indígenas de autoras(es) de diversas etnias do país

formação docente, educação para as relações étnico-raciais, línguas indígenas, literatura indígena, revista NPL

Comentários


Ninguém comentou ainda, seja o primeiro!

Ver mais comentários

Deixe uma resposta

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar
inicio do rodapé
Fale conosco Acompanhe nas redes

Acompanhe nas redes

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa

Parceiros

Coordenação técnica

Iniciativa


Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000

Termos de uso e política de privacidade
Objeto Rodapé

Programa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Artur de Azevedo, 289, Cerqueira César, São Paulo/SP, CEP 05.404-010.
Telefone: (11) 2132-9000