O Programa está alinhado aos princípios da Base Nacional Comum de Educação (BNCE) ao contemplar:

BAKHTIN, Mikhail. “O todo semântico da personagem”, in: Estética da criação verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

BRETON, Philippe. Argumentar em situações difíceis. Barueri: Manole, 2005.

CAMARGO, Flavio Pereira. “Marcel Proust e o triunfo da memória”. Disponível em www.ucm.es/info/especulo/numero42/mproustm.html.

DOLZ, Joaquim et al. O enigma da competência em educação. Porto Alegre: Artmed, 2004.

DOLZ, Joaquim e SCHNEUWLY, B. Gêneros orais e escritos na escola. Campinas: Mercado das Letras, 2004.

DOLZ, Joaquim e PASQUIER, Auguste. “Un decálogo para enseñar a escribir”, in: Cultura y Educación. Madri: Fundación Infancia y Aprendizage, v. 8, nº 2, jun., 1996.

FREIRE, Madalena. Observação, registro e reflexão. São Paulo: Espaço Pedagógico, 1996.

MACHADO, Anna Rachel e colabs. ABREU-TARDELLI, Lília Santos e CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes (orgs.). Linguagem e educação: o ensino e a aprendizagem de gêneros textuais. Campinas: Mercado das Letras, 2009.

MARCUSCHI, Luiz A. Linguística do texto: o que é, como se faz. Recife: UFPE, 1983.

—. Da fala para a escrita: atividades de retextualização. São Paulo: Cortez, 2001.

MATÊNCIO, M. “Referenciação e retextualização de textos acadêmicos: um estudo do resumo e da resenha”. Disponível em www.ich.pucminas.br.

NASCIMENTO, E. L. (org.). Gêneros textuais: da didática das línguas aos objetos de ensino. São Carlos: Claraluz, 2009.

RANGEL, Egon de Oliveira. O processo avaliatório e a elaboração de “protocolos de avaliação”. Brasília: Semtec/MEC, 2004.

TOULMIN, Stephen. 1958 (1ª ed.). Os usos do argumento. São Paulo, Martins Fontes, 2001.

VYGOTSKY, Lev Semenovich. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

YOKOZAWA, Solange Fiuza Cardoso. “Memória literária e modernidade: o caso Proust”, in: Temporis(ação), v. 1, nº 5-6, 2002, pp. 63-74.