Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Profª Olímpia
Pergunta:

Queridos educadores,

O texto dessa semana terá como foco a importância da primeira produção escrita, o terceiro assunto mais votado por vocês em nossa enquete.

 

Como vimos conversando, a sequência didática voltada ao ensino de um gênero discursivo prevê um trabalho bastante cuidadoso, não apenas nos passos iniciais, mas também na configuração das oficinas, atreladas a cada um dos aspectos a serem investigados e analisados pelos estudantes.

É exatamente nesse cenário - que articula a discussão sobre a situação de produção, foco do texto da semana passada, e as oficinas de exploração do gênero – que se situa a produção escrita inicial.

“Trocando em miúdos”: após o professor compartilhar a proposta de estudo com a turma e investigar o que eles sabem sobre o gênero, por meio de uma roda de conversa, com destaque à situação de produção, é chegada a hora de contextualizar a ação de produção de uma primeira versão escrita.

Para quem já utilizou nossos Cadernos Virtuais, certamente conhece todos os detalhes desse trabalho, contando com informações e dicas sobre esse momento. É fundamental que a proposta seja feita, de modo a permitir que os alunos escrevam de acordo com o conhecimento que já apresentam sobre o gênero em estudo.

Mas, afinal, quais nossos objetivos com a proposta desse primeiro texto?

De forma bem didática, como venho sempre tentando fazer por aqui, a produção inicial está voltada a diferentes enfoques:

- favorecer a investigação do professor acerca dos dizeres iniciais dos alunos sobre o gênero (o que eles já sabem; o conhecimento prévio de cada estudante). Ao produzir o texto nesse momento inicial, cada um revelará qual o conhecimento já internalizado sobre o gênero, considerando sua história de letramento; as práticas orais, de leitura e escrita já vivenciadas socialmente, nas quais esse gênero esteve presente. Assim, com nossa análise, teremos clareza do que já foi apreendido e o que precisa ser ensinado;

- mobilizar a atenção do professor para o planejamento de sua prática com os alunos. Explicando melhor: com base nesse mapeamento de conhecimentos já e ainda não construídos, o professor poderá analisar as oficinas previstas para o ensino do gênero e planejar suas ações, com vistas a selecionar as etapas que são mais condizentes à realidade e necessidades de cada turma; especialmente as que demandarão um tempo maior de estudo, já que evidenciam dimensões do gênero menos conhecidas por cada turma;

- promover a reflexão sobre os avanços, pelo contraste entre as versões inicial e final. É comum encontrarmos produções iniciais bastante distantes do esperado, ou seja, escritos que não são reconhecidos por nós como exemplares do gênero. Mas, atenção: não se desesperem! Isso apenas significa que teremos muito trabalho pela frente e que quanto mais vigorosa for nossa análise sobre os textos, melhor será o processo de estudo vivenciado nas oficinas. Afinal, essa produção inicial é apenas o retrato dos saberes dos alunos, ainda antes de todo o investimento reflexivo focado nas demais etapas da SD, certo? Pensando desse modo, vocês poderão, lá no final da sequência, retomar cada um dos textos iniciais, levando cada aluno a refletir acerca do que sabia e o que, após as oficinas, passou a saber sobre poemas, crônicas, memórias literárias ou artigos de opinião. Com o texto inicial em mãos, na comparação com os escritos finais, estudantes e professores terão larga condição de avaliar todo o aprendizado conquistado!

 

Bem, para encerrar, seguem algumas sugestões:

- Texto “Sequência Didática: por que trilhar o caminho proposto”, publicado na revista Na Ponta do Lápis, número 23;

- Nos “Percursos Formativos”, uma novidade incrível de nosso Portal, indico no “Lente de aumento na escrita” o projeto “Cantos distantes”, com destaque à produção inicial e análise do texto;

- Curso Virtual “Sequência didática: aprendendo por meio de resenhas”;

- Publicação do Portal “O que nos dizem os textos dos alunos?”, como fonte de diálogo e reflexão com os escritos de cada turma.

 

Como sempre, conto com a inscrição de todos na 5ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro e estou à disposição para continuarmos a prosa!


Bj carinhoso, obrigada e até já,
Olímpia

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime
 
Conséd
Coordenação técnica
Cenpec
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé