Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

logo olimpia

Olá, professor e professora!

Meu nome é Olímpia e também sou educadora. Neste espaço, quero conversar com você sobre as práticas de ensino da leitura e da escrita. A cada mês, eu enfoco um novo tema em minhas colunas.

A proposta é que essa prosa virtual aconteça a partir das suas dúvidas, que podem ser deixadas no espaço reservado para comentários de cada texto. Lembre-se de incluir seu nome, cidade e UF, bem como seu contexto de trabalho, o ano escolar da sua turma, a dificuldade apresentada e, por fim, sua dúvida. Assim, terei mais elementos para sugerir possibilidades de trabalho.

A sua questão pode ser a minha, que já se torna nossa e de tantos outros(as) internautas conectados(as). É dessa forma que a construção do conhecimento em rede se estabelece!

Confira, abaixo, as colunas já escritas e aproveite para deixar sua dúvida! Ela pode ser o tema de minha próxima coluna!

Um abraço carinhoso, muito obrigada e até já,

Olímpia

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Profª. Olímpia
Pergunta:

Na sua primeira coluna de 2022, Olímpia traz uma mensagem aos(às) docentes sobre a importância do esperançar com alegria na educação, assim como nos ensinou o educador Paulo Freire.

 

Professoras e professores tão queridos,

O ano de 2022 chega com a renovação de nossas esperanças! Ano decisivo para nosso país e nossa educação; ano que convoca o sentido mais profundo de perseguir o objetivo de lutarmos por uma educação de qualidade e com equidade para crianças, adolescentes e jovens de todo o nosso imenso país, sustentada por práticas antirracistas e inclusivas.

Terminamos o ano de 2021 com a celebração da 7ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa! A apreciação do vídeo da cerimônia de encerramento e o olhar de pertinho para cada professor e professora pela tela – que vibrou por lá estar, que se emocionou com a genialidade de Geni Guimarães e que representa de forma tão genuína o alcance da força e do amor à Educação – alimentam a vontade de seguir esperançando com alegria (tal qual nos ensinou o mestre maior Paulo Freire).

Uma prática educativa atrelada ao esperançar com alegria envolve fomentar o acolhimento, a empatia, a aposta na potência, nas vivências do outro e na aprendizagem em diferentes tempos e, ainda, a busca por modos diversificados de ensinar para abraçar modos singulares de aprender. Sobretudo, vincula-se ao ensinar com amor.

A extraordinária bell hooks, no livro Ensinando comunidade: uma pedagogia da esperança, conduz o leitor por mãos firmes e dizer altamente reflexivo, revelando sua trajetória e suas aprendizagens na prática como professora, pesquisadora e ativista, ao afirmar que:

“Ao contrário da noção de que o amor na sala de aula torna professores e professoras menos objetivos, quando ensinamos com amor somos mais capacitados para atender às preocupações específicas de cada estudante e, ao mesmo tempo, integrar aquelas que são de toda a comunidade da sala de aula (2021, p.210).

[...]

O amor na sala de aula prepara docentes e estudantes para abrir a mente e o coração. É a fundação sobre a qual toda comunidade de ensino pode ser criada. Professores e professoras não precisam temer que a prática do amor em sala de aula os leve ao favoritismo. O amor sempre nos moverá para longe da dominação em todas as suas formas. O amor sempre nos desafiará e nos transformará. É esse o cerne da questão (2021, p.215).”

Em síntese, retomando suas palavras em Tudo sobre o amor: novas perspectivas, “começar por sempre pensar no amor como ação, em vez de um sentimento, é uma forma de fazer com que qualquer um que use a palavra dessa maneira automaticamente assuma responsabilidade e comprometimento (2020, p.55).”

 

Convido cada um e cada uma a trilhar esse caminho, mobilizando sua escola a se constituir e se fortalecer enquanto uma comunidade de aprendizagem, que defende práticas (trans)formadoras pelo olhar o outro, pela escuta e pelo franco, colaborativo e propositivo diálogo.

É preciso resistir, insistir e perseverar para podermos cultivar a alegria e o amor pelo ensinar e pelo aprender. A vocês, dedico versos da magnífica Maya Angelou, no poema “Continue”:

 

[...]

Continue

 

Lembrando às pessoas que

Cada uma é tão boa quanto a outra

E ninguém está acima

Nem abaixo de você

 

[...]

Continue

 

Não desprezando perspectiva alguma

Que venha estender o seu campo de visão

E ampliar o seu espírito

 

Continue

 

Ousando amar profundamente

E arriscar tudo

Por uma boa causa

 

[...]

Continue

 

E ao fazer isso

Você e seu trabalho

Serão capazes de continuar

Eternamente

 

Angelou, Maya. Continue. In: Poesia Completa. Bauru,SP: Astral Cultural, 2020, p.294-297.

 

Um abraço carinhoso, obrigada e até já,

Olímpia

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Programa Escrevendo o Futuro / Olimpíada de Língua Portuguesa
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé