Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Profª. Olímpia
Pergunta:

Após a escuta docente, Olímpia analisa os dados e traz referências de especialistas em ensino híbrido e tecnologias digitais.

 

Educadoras e educadores,

Depois do período de maior participação de vocês, nossos queridos leitores e leitoras, no qual retrataram fragmentos de práticas pedagógicas em tempos de pandemia, vamos iniciar um movimento de “análise propositiva”, diante dos dados da “escuta docente”.

Para tanto, volto a apresentar o gráfico 4, publicado no último texto, que anunciou as dificuldades enfrentadas por professoras e professores:

 

 

Desde a nossa primeira análise, dois aspectos tomaram a cena, correspondendo a  82% dos relatos apresentados em nosso mural: o domínio das tecnologias digitais (41%) e a articulação dessas tecnologias a práticas pedagógicas (41%).

Nos diferentes escritos, salta aos olhos a quantidade de relatos atrelados a dificuldades em lidar com plataformas, ferramentas, recursos; enfim, a variados modos de apresentar, disponibilizar e discutir conteúdos e, de alguma forma, promover, acompanhar e monitorar a participação dos estudantes.   

Nesse contexto, uma questão importante a ser considerada é a forma como o “ensino remoto”, permeado pelas TDICs (tecnologias digitais da informação e comunicação), “invadiu” a prática docente. Na maior parte dos relatos, há registros de que não houve tempo para o planejamento de momentos de formação para os professores, assim como não houve tempo para que fosse apresentada, pesquisada e defendida a proposta de uso das tecnologias digitais e suas diversificadas formas de favorecer o encontro com o conhecimento. Na realidade, como tanto tem sido dito em lives e textos escritos por educadores e pesquisadores, estamos diante da condição de oferecer um “ensino remoto emergencial”, que bem pouco guarda de relações com a condição indispensável de planejamento, pesquisa e reflexão para o efetivo ensino mediado pelas tecnologias.

Se, por um lado, como muitos de vocês destacaram, esse período trouxe inegáveis aprendizados, conquistas e ampliação de conhecimentos para a ação docente, por outro, precisamos estar cientes de que esse caminho permeado pelas TDICs apenas começou a ser trilhado, já que se avizinha a possibilidade (ou única alternativa) de retorno às aulas a partir de um ensino híbrido.

Diante desse cenário, tal qual nossa “escuta docente” já evidenciou, a questão da ausência do domínio das tecnologias digitais convoca - ainda que todos os professores já tivessem se apropriado desses conhecimentos - a urgência de se pensar sobre a articulação dessas tecnologias às práticas pedagógicas.

Entre outros dizeres, a questão das metodologias ativas vem ganhando maior destaque, entre elas, o ensino híbrido, pois apostam no protagonismo dos alunos e na personalização, rompendo a lógica de exposição de conteúdos. Não se trata de uma noção nova, mas precisa ser bem compreendida, considerando as TDICs, como esclarece o Prof. Dr. José Moran, uma referência no assunto:

 

 

Como puderam conferir, as metodologias ativas – mediadas ou não pelas tecnologias – são foco de nossa reflexão há bastante tempo, não é mesmo? Talvez, para muitos professores, a “novidade” esteja atrelada ao modo como as tecnologias digitais podem favorecer a construção do conhecimento e de que forma o ensino híbrido pode e deve anunciar uma compreensão muito além da existência de momentos presenciais (na escola) e virtuais (em casa) de aprendizagem.

Sobre as tecnologias digitais e o modo como devem ser exploradas na atualidade, a Profª. Drª. Lilian Bacich lança o alerta

 

“As tecnologias digitais favorecem a personalização, na coleta de dados e na identificação de quem são esses alunos, quais são suas dificuldades e facilidades, e como as experiências de aprendizagem podem melhor atender ao objetivo de desenvolver habilidades e competências. Assim, as tecnologias digitais não têm apenas o papel de levar uma aula expositiva a um grupo de alunos que não está presente na escola. Reforço o que muitos outros pesquisadores têm afirmado nesse momento: se as tecnologias digitais forem utilizadas para reproduzir um sistema de ensino centrado na explicação do professor, não teremos oportunidade de desenvolver pensamento crítico, argumentação, comunicação e colaboração como poderia ser feito se as tecnologias forem bem utilizadas e realmente assumirem importante papel nesse momento. Entender os alunos como prosumers, que consomem, mas também produzem no ambiente digital, é fundamental ao elaborar o desenho do papel das tecnologias digitais nesse momento”.

 

Como forma de começarmos a “ajustar nossos óculos” para uma consistente análise sobre o ensino híbrido, segue novo vídeo com o Prof. Dr. José Moran:  

 

 

Nos tempos atuais (e sempre!), há muito a ser discutido e refletido sobre práticas pedagógicas e modos de potencializar a aprendizagem de nossos estudantes... Na realidade, entendo que este texto apenas possa colaborar como ponto de partida, como um passo em meio ao longo, desafiador e complexo caminho do fazer docente em tempos de pandemia.

Para finalizar, quero deixar algumas dicas, considerando o perfil bastante diversificado de segmentos de atuação dos docentes, revelado pelos escritos em nosso mural:

 

Bj, obrigada e até já,

Olímpia

 

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé