Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Profª. Olímpia
Pergunta:

Após mais um período de escuta sobre as dificuldades e desafios enfrentados por professores durante o período de pandemia, Olímpia reúne dados ainda mais amplos e interessantes.

 

“Estamos trabalhando de uma forma como nunca tínhamos trabalhado”.

Profª. Antonia, GO

“Após uma panfletagem na comunidade, avisando e explicando sobre as aulas não presenciais/virtuais, conseguimos uma maior adesão (...)”.

Profª. Mônica, PE

“Com determinação e planejamento, procuro fazer o possível para atender às necessidades de meus alunos”.

Profª. Dirvani, SC

“O que fazer para atender melhor o meu aluno? Fiz dum cantinho da minha sala uma sala de aula não presencial”.

Profª. Irânia, PI

“Vários desafios. Mas não desistir, jamais!”.

Profª. Solange, SC

Queridas e queridos docentes,

A despeito do desejo de “dar luz” a todos os dizeres apresentados em nosso mural, entendemos que a voz dessas professoras representa a potência, a seriedade, a competência, a flexibilidade, a resiliência e o genuíno compromisso com a aprendizagem dos alunos que claramente percebemos ao apreciar a totalidade dos escritos docentes. E é por isso que, com eles, resolvemos iniciar mais um momento de troca, aqui no “Pergunte à Olímpia”.

Após mais um período de escuta de ricos depoimentos sobre as dificuldades enfrentadas por vocês durante a pandemia, reunimos dados ainda mais amplos e interessantes!

Agradecemos a todas e todos que dedicaram seu tempo para a socialização de contextos de trabalho, obstáculos e preocupações atrelados a (novos) desafios do fazer docente. Para nós, da equipe do Escrevendo o Futuro, as vozes aqui reunidas contribuirão, de forma decisiva, para a tomada de decisões sobre ações formativas e o planejamento de textos (escritos e multimodais) que promovam o encontro entre todos esses dizeres e o nosso objetivo de contribuir para a qualificação da atuação de professores, de forma a potencializar a formação de estudantes de todo o nosso país.

Bem, após esse “abraço-palavra” de puro agradecimento, vamos juntos apreciar o conjunto dos dados, fruto de todo esse período de escuta?

Abaixo, o gráfico 1, que permaneceu anunciando a diversidade de segmentos de trabalho dos docentes participantes - Educação Infantil, EFI, EFII, EJA e EM das redes públicas de ensino -, com maior ênfase ao Ensino Fundamental II, seja pela atuação isolada, seja pela combinação com o EM. Reparem que, na amostra total, a Educação Infantil e o EFI seguem juntos, bem perto dos dados do EFII:

 

O gráfico 2 também ganhou em quantidade e em estados de atuação de professoras e professores, compondo nosso colorido com 19 diferentes nuances e revelando uma maior participação dos docentes de Santa Catarina:

 

Agora, para retratar as dificuldades vivenciadas por alunos e professores, do ponto de vista dos docentes participantes, seguem os gráficos 3 e 4:

Gráfico 3

 

Gráfico 4

 

No gráfico 3, “Dificuldades dos alunos”, a preocupação de professores com a falta de acesso à internet por parte de seus alunos continuou tomando a cena, acompanhada pela ausência do recurso digital/tecnológico (celular, computador ou tablet). Nesse sentido, vale registrar o depoimento de alguns professores que têm recorrido à entrega de materiais impressos via escola, especialmente no EF, na tentativa de minimizar os efeitos da falta de acesso aos conteúdos trabalhados on-line e, ainda, o registro docente de que mesmo que o aluno tenha acesso à internet, por vezes, mostra-se bastante limitado e de baixa qualidade, o que dificulta a apreciação de vídeos e outros recursos virtuais.

Por fim, no gráfico 4, “Dificuldades dos docentes”, os dois aspectos já salientados em nossa primeira análise permanecem como mais significativos: 1. o domínio das tecnologias digitais, em função da ausência da formação docente atrelada às tecnologias digitais de informação e comunicação e 2. a articulação dessas tecnologias a práticas pedagógicas virtuais, dadas as precárias condições objetivas para o planejamento e a gestão das aulas remotas, ainda que se tenha maior domínio tecnológico.

Ainda antes da despedida, queremos deixar vocês na companhia da querida Sonia Madi, coordenadora do Programa Escrevendo o Futuro entre 2002 e 2016, que encantou a todos com seus inspiradores dizeres sobre “ser professor em tempos de incerteza”: 

A seguir é possível ver todos os comentários deixados pelos professores. Para deixar sua contribuição, falando sobre as dificuldades em exercer a docência em tempos de pandemia, inicie o breve texto com dados de identificação (nome, cidade, estado e segmento com o qual trabalha) e insira a resposta por escrito, clicando no sinal de positivo (+), localizado no canto inferior direito da tela azul. Também é possível publicar sua resposta por vídeo e áudio e, para tanto, após clicar no sinal de positivo (+), clique nos três pontos e escolha “Film” para gravar vídeo ou “Voice” para áudio.

 

Feito com Padlet

 

Bj, muito obrigada e até já,

Olímpia (em nome de toda a equipe do Portal Escrevendo o Futuro)

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé