Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Profª Olímpia
Pergunta:

Professora quer saber: como despertar o prazer pela leitura com a invasão avassaladora das redes sociais?

 

Dedicados educadores,

O texto desta semana retrata uma questão polêmica bastante pertinente, foco de discussões em muitas escolas, envolvendo professores, gestores, estudantes; enfim, toda a comunidade escolar.  

Vamos conferir?

Prezada Olímpia,

Meu nome é Cristiane Freire. Sou de Macaé (RJ) e leciono em turmas de Ensino Médio em colégio estadual. São jovens de várias idades, em média de 16 a 25 anos.

Como despertar o prazer pela leitura com a invasão avassaladora das redes sociais?

Aguardo retorno.

Grata, Cristiane


Como puderam apreciar, estamos diante da “antiga” reflexão sobre o prazer pela leitura e da “recente” questão das redes sociais. Nesse cenário, bem sabemos que uma (ou, talvez, a maior) polêmica gira em torno da preferência dos estudantes pelos conteúdos e assuntos das redes sociais, em detrimento aos conteúdos e assuntos tratados na escola. Mas, afinal, o que pode revelar essa “invasão avassaladora”? Confira abaixo!


Prazer pela leitura

Quando falamos em “prazer pela leitura”, é preciso sempre lembrar que a leitura serve a distintos objetivos, dentre eles, gerar prazer, vontade (insaciável) de apreciar mais e cada vez melhor os mais heterogêneos produtos culturais disponíveis; deixar-se envolver pelo universo literário e, com/por meio (d)ele, melhor compreender cada um e o todo; nós mesmos e o mundo. Mas o fato é que, na escola, essa prática de linguagem está também vinculada ao desenvolvimento de diversas outras habilidades, atreladas ao estudo de diferentes gêneros do discurso, sendo que, especialmente na esfera/campo de atuação artístico-literário, essa leitura de fruição, aliada a experiências estéticas, ganha maior ênfase. Com tudo isso, quero ressaltar o fato de que muitas de nossas propostas não estão guiadas pelo prazer, pelo deleite, mas são igualmente importantes, pois promoverão o aprendizado de habilidades de leitura essenciais para a vida dentro e fora da escola. Assim, o prazer pela leitura precisa ser encarado como uma das apostas do trabalho do professor e não a única aposta (dica: assista à entrevista com a professora Vima Lia de Rossi Martin, da USP). Além disso, é preciso considerar que as redes sociais, guardadas as características de cada gênero e suporte de circulação, têm promovido amplo acesso a pessoas, textos e assuntos (incluindo autores e gêneros do universo artístico/literário), antes limitado pela própria desigualdade de “acesso físico” à informação, não é mesmo? Então, será que não vale a pena aliarmos o trabalho de desenvolvimento de habilidades de leitura, incluindo a ideia do “prazer pela leitura”, às potencialidades das redes sociais virtuais? Leia os próximos itens para saber mais!

Textos escritos e multimodais

Professora Cristiane, é inegável que seus estudantes do EM estão lendo muito e, talvez, até mais do que liam antes da web! Sei que você e nossos leitores logo dirão “podem até estar lendo mais, mas só o que interessa e de modo rápido e superficial”. Pode ser que isso seja verdade, mas, então, o que podemos fazer? Entendo que precisamos aproximar nossas aulas das reflexões sobre gêneros “que interessam aos jovens”, explorando o exercício de apreciação estética, ética e crítica, de modo a rompermos o limite não apenas do trabalho com o impresso/escrito – comumente dominante em nossa escola – para alcançarmos os gêneros multimodais, que convocam um passeio por diferentes linguagens, todas elas constitutivas do exercício de construção e atribuição de sentidos aos textos lidos, mas também rompermos os limites do trabalho atrelado apenas a gêneros culturalmente valorizados pela escola, dando “vez e voz” a gêneros valorizados pelos estudantes, próprios de culturas locais.

Encontro colaborativo

Se a internet e o Facebook chamam mais a atenção do que a leitura e a análise de crônicas previamente selecionadas pelo professor, por exemplo, por que não permitir que os jovens acessem o Portal da Crônica Brasileira, selecionem a preferida em cada grupo, em função dos diferentes assuntos lá apresentados, a fim de discutirem, pelo Facebook, contrastes entre textos do mesmo assunto ou, ainda, entre textos do mesmo autor, envolvendo diferentes assuntos? Assim, na sala de aula, o professor com os alunos poderão reunir as vozes da discussão virtual, com o aprofundamento das análises em função da investigação de pontos coincidentes e divergentes, convocando, assim, novos movimentos de apreciação, capazes de gerar sistematizações mais consistentes e densas. Trata-se, portanto, de um convite à convivência: do impresso/escrito com o digital/multimodal; da sala de aula com as redes sociais; dos saberes do professor, imigrante digital, com os saberes dos alunos, nativos digitais.            

Há muito o que dizer sobre esse assunto... Então, vamos juntos esticar essa prosa?

Como sempre, ficarei à espera dos comentários de todos!

Bj, obrigada pelo envio da pergunta e até já,

Olímpia

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime
 
Conséd
Coordenação técnica
Cenpec
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé