Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Pergunte a Olímpia

Inicio do conteudo

Pergunte à Olímpia: Navegue pelas perguntas abaixo utilizando as setas e tecle enter para acessar a pergunta.

Autor Profª. Olímpia
Pergunta:

Como promover esse encontro, por vezes muito desafiador? É o tema da conversa com Olímpia. Saiba mais.

 

Dedicados educadores,

No texto da semana, daremos voz a um professor da cidade de Tavares (PB), que escreveu para o Portal, na tentativa não apenas de socializar a situação que vive com seus alunos do 1o ano do EM, mas, sobretudo, buscar ideias, inspirações e saídas que possam promover o encontro dos estudantes com a leitura. Confiram:

Olá, Olímpia. Bom dia!

Sou Vital Ramos e leciono português no EM e no EF II. Preciso falar da minha angústia com os alunos de uma série (1º ano do EM). A maioria são alunos fora de faixa, de 17 a 23 anos, e também são oriundos da EJA. Apresentam dificuldade de escrita, mas minha maior preocupação é que não querem participar dos momentos de leitura. Se projeto no Datashow e peço para ler, não aceitam. Nada é atrativo! Vejo nas suas palavras que estudar não tem sentido. Este ano, nós professores elaboramos um projeto sobre profissões, para ver se algo lhes atrairia e, sobretudo, se leriam para os colegas na sala; porém, o trabalho foi em vão.

Já usei as seguintes estratégias de leitura: a) protocolada; b) fatiada, para montagem da segmentação do enredo; c) lacunada, para uma posterior leitura das palavras que preencheram os espaços. Tudo sem sucesso. O que fazer?

Abraços

 

Pelo registro detalhado, é possível perceber como ele está mobilizado com a questão, não é mesmo? Bem, então, vamos tentar minimizar essa angústia, com a apresentação de algumas dicas:

 


Rodas de conversacomo já são estudantes do EM, todos têm condições de tomar a palavra, pois têm muito a dizer, e os professores, certamente, a escutar e aprender com eles. Então, aposte em momentos de discussão sobre o que costumam ler, como têm acesso às informações sobre os mais variados assuntos, onde geralmente realizam alguma atividade de leitura e como leem. Esses dados poderão servir de base para a seleção de gêneros e o planejamento de atividades focadas no interesse da turma.

Debatespara debater, é fundamental que se tenha o que dizer. Nesse sentido, a turma e o professor deverão investir na pesquisa de um assunto polêmico, de relevância social, a partir do qual poderão assumir diferentes pontos de vista. Para tanto, será necessário dividir a sala em grupos e distribuir tarefas, sendo fundamental realizar buscas por informações relevantes, dados de especialistas, experiências similares ao que é retratado pelo assunto; vozes “a favor e contra” determinada questão. Mas, atenção: não restrinja a leitura ao papel! Faça-os compreender que ler é um “verbo plural”, no sentido de favorecer a convivência diversificada entre suportes e mídias. Vale, inclusive, lançar uma polêmica voltada à leitura, como “As tecnologias e o universo virtual têm afastado os estudantes da leitura?”.

Eventos Culturaisdisputa de repentes, rap, funk ou qualquer outro gênero que possa mobilizar a atenção e o interesse da turma. Aqui, a proposta é que eles criem, em função do que pode “falar de perto” com a realidade e vivências do grupo, eventos que os levem a produzir regulamentos, pensando em comissão para análise prévia de letras e comissão julgadora, no momento da apresentação; cartas de solicitação; instrumento de avaliação; convite; entre outros textos.  

Projetos: a partir da discussão sobre problemas, preocupações e necessidades dos jovens, é possível incentivá-los a “criar propostas de atuação, mobilização, articulação e intervenção na vida pública da comunidade”, tal como defendem os educadores do Programa Jovens Urbanos, do Cenpec.

 

Perceberam quantas situações voltadas à leitura e produção de textos poderão ser vivenciadas? Entendo que vale muito a pena tentarmos conciliar necessidades (curriculares e juvenis), em busca de reflexões mais colaborativas, consistentes e que possam, de fato, mobilizar os jovens para o conhecimento.

Antes de terminar, algumas dicas de leitura:

 

Como sempre, conto com meus leitores para ampliarmos as dicas, combinado?

Bj, obrigada e até já,

Olímpia

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

fim do conteudo
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé