Mapas e Roteiros

Retomar o planejamento do projeto pedagógico e das atividades em sala de aula - descrever os pontos de partida e de chegada, as etapas até as metas alcançadas; explicitar o que foi feito e o que precisou ser construí­do, o que foi preciso estudar e aprofundar em termos de conhecimento sobre diferentes aspectos implicados no projeto, os critérios de seleção de textos e elaboração de materiais de ensino e de avaliação - tudo isso aju­da a recobrar o desenvolvimento do trabalho a relatar.

Coleções de Anotações, Fotos e Lembranças

Anotações em diário, fotos e lembranças ajudam a dar concretude para episódios que serão narrados ao longo do desenvolvimento do projeto pedagógico, o que chamou atenção, surpreendeu, incomodou, foi apren­dido, se quis mudar. Lembrar o comentário de um aluno, o material que deu certo ou que não funcionou, a situação que deu o que falar, os mo­mentos marcantes de evidência de aprendizagem dos alunos e do próprio professor-autor, assim como os momentos de percepção de necessidades de voltar atrás e preparar melhor, aquela aula que exigiu muito, a solução construída em conjunto, entraves e dúvidas, soluções levantadas, descar­tadas e adotadas, pontos de partida para (re}criação e (re}planejamento ...

ZOOM: Contar para olhar de perto

Compartilhar a experiência vivida, conversando com colegas, alunos, amigos e familiares sobre as anotações, fotos e lembranças, cria laços compartilhados entre os participantes, que trocam ideias, sugestões, recomendações, fazem parcerias. Aos poucos, esses guardados vão sendo adensados em detalhe e importância. A perspectiva do outro vai ressignificando o que vale a pena contar, e novas aprendizagens são construídas. Muitas vezes são essas descobertas que se tornam relevantes para o relato de prática: o que se via como uma solução individual passa a ser compreendido como coletiva; expectativas, interpretações da realidade ou (pre}conceitos são revistos; medos que paralisavam podem ser enfrentados; o lugar onde se vive e ensina passa a ser o lugar onde se aprende.

Tesouro Descoberto

É hora de compartilhar uma reflexão sobre a experiência vivida por escrito com um público mais amplo - sistematizar o que foi aprendido, refletindo na escrita e de modo organizado sobre esse evento para alguém que não conhece o contexto, mas que poderá aprender com a ex­periência do professorautor. A seleção é motivada e justificada pelas conversas anteriores, que foram oportunidades de construir uma con­vicção de que esse recorte pode ser produtivo e inspirador para colegas de perto e de longe. Os relatos de prática abrem espaço para que professores se conheçam, compartilhem suas experiências, contem sobre o que fazem e o modo como fazem, justificando suas ações com base nas características e nos desafios de seus contextos de atuação e, a partir dessa troca, anunciam possibilidades de novas práticas.

projeto de escrita do relato de prática

Com base em anotações de diário e memórias de trocas com colegas professores, é possível decidir sobre o foco da reflexão que, entre tantas no percurso, o professor-autor-formador percebeu como especialmente relevante para compartilhar com colegas professores-autores. O que motivou essa reflexão? O que nas suas ações bem particulares pode ser especialmente inspirador para o trabalho dos colegas?

A voz de professor-autor-formador:

Que ponto de reflexão quero expor, sobre qual cena da minha experiência (porque é única, representa a mim, minha turma e minha escola e poderá ser inspiradora para colegas)?

Quais ações vou selecionar para dar concretude a essa reflexão?

Que detalhes são cruciais e quais vou preferir deixar de lado? Por quê?

Os interlocutores, colegas professores-autores:

O que conhecem da proposta da Olimpíada (cadernos, atividades, coletânea etc.) para entender o que vou contar?

O que conhecem das características essenciais do tempo e do espaço onde ensino para entender o que vou contar?

O que conhecem sobre minha história e minhas referências para compreender as reflexões que faço sobre minha prática?

O que pode inspirá-los nesse relato? Por quê? Para que?

A abrangência do tema e das informações necessárias para a reflexão proposta:

Quais são os detalhes fundamentais para compreender a minha reflexão sobre o que foi feito, como foi feito e como cheguei a essas conclusões (e não a outras possíveis)?

Que aprofundamentos são importantes para entender meu ponto de vista e minha reflexão sobre as mudanças que ocorreram (ou não) na minha prática?

Onde posso encontrar, com quem posso obter esses detalhes (diário, alunos, colegas, outros relatos de prática)?

Quais detalhes podem tornar o relato mais vívido?

O modo como será publicado o relato:

Considerando as normas de publicação do relato (extensão e formatação), como posso organizar o texto?

Como posso organizar os parágrafos em relação à apresentação da reflexão sobre a questão selecionada; relação e justificativa da minha escolha e do meu ponto de vista em relação ao que foi feito, como foi feito no tempo e espaço específico; aprofundamento da reflexão, trazendo exemplos, vozes dos participantes etc.; conclusão?

Quais são algumas formas de tornar o texto mais claro e coeso?

Que tom poderia torná-lo mais interessante?

reescrita e publicação

Depois de concluída a produção inicial, é o momento de aperfeiçoar o texto com base na leitura de quem participou da trajetória (alunos, colegas e outras pessoas interessadas).

A reflexão apresentada está bem construída e justificada?

O relato está narrado com base em episódios particulares, que ocorreram em lugar e tempo situados?

O que está demais? O que falta?

Os comentários dos primeiros leitores são o ponto de partida para reescrever o texto e fazer os ajustes necessários para então publicá-lo, já tendo percorrido várias interlocuções e se constituído como professor-autor-formador nesse percurso.