Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Além das Secas traz histórias do sertão cearense

Inicio do conteudo
Assunto: null
Autora: Marina Almeida
14 Julho 2020

 

“Além das Secas” mostra as dificuldades, mas também a força e a esperança de quem convive com a falta de água no sertão cearense. O documentário é um dos vencedores na categoria, que estreou na Olimpíada de Língua Portuguesa na edição 2019, e agora está disponível para todos assistirem.

Por meio de entrevistas, moradores das cidades de Fortaleza, Canindé e Lagoa Nova contam sobre as grandes secas que enfrentaram desde criança e os desafios atuais. Eles também falam sobre a importância da fé nessas situações e mostram como as cisternas e açudes têm reduzido os problemas de falta de água no sertão. O vídeo também traz imagens das cidades, de suas paisagens e do cotidiano de quem vive no campo.

O documentário foi produzido pelas alunas Lethícia Alencar Maia Barros, Sabrina Soares Bezerra e Yasmin Felipe Rocha Santiago, do Colégio Militar de Fortaleza. A orientação do trabalho foi da professora Gláucia Maria Bastos Marques.

As alunas contam que a ideia do documentário surgiu a partir da leitura de O Quinze, de Rachel de Queiroz, que trata da grande seca de 1915. Assim como no livro, a produção buscou mostrar a resistência e a luta dos sertanejos. “Nosso ponto principal não era só abordar a escassez da água que assolou e continua assolando o Ceará e todos os demais estados do Nordeste, mas também destacar toda essa fé, esperança e força que o sertanejo tem dentro de si para continuar acreditando e esperando firmemente por um futuro diferente. Nós procuramos mostrar algo além das secas”, contam as alunas.

Produção do vídeo

Para elas, produzir um documentário foi uma experiência inédita, que trouxe alguns desafios como pensar a estrutura e a mensagem do vídeo. “No entanto, com o tempo, as ideias começaram a fluir e tudo ficou um pouco mais fácil. A experiência foi realmente incrível.” As alunas explicam que dividiram entre si algumas funções, como a filmagem, edição, narração e trilha sonora, mas que todas participaram da elaboração da sinopse e do roteiro, “porque são a base de todo trabalho”.

Sabrina conta que sempre se interessou por fazer imagens, mas que o documentário foi sua primeira experiência com gravação e edição. “Tudo que sei sobre questões técnicas eu aprendi assistindo a alguns vídeos da internet e lendo bastante sobre o gênero. No geral, a produção não envolveu coisas muito difíceis, apenas o básico, como um enquadramento agradável, um apoio para a câmera, um programa de edição simples e um microfone improvisado”, diz.

Além de Fortaleza, elas escolheram ir a Canindé e Lagoa Nova, no interior do estado, para as filmagens por já terem alguma familiaridade com a região. Ao editar o vídeo, porém, perceberam que ainda precisavam de algumas imagens, mas que não teriam como voltar às cidades para gravá-las. “Por isso, algumas filmagens foram improvisadas por nós mesmas em casa. O mais importante era passar o nosso ponto de vista sobre o tema, mostrando a visão e os sentimentos do sertanejo cearense, e tentar dar o nosso melhor nesse projeto”, ressalta Sabrina.

Som e trilha sonora

Yasmin foi a responsável pela trilha sonora e conta que precisou de tempo e paciência para encontrar faixas que se encaixassem não apenas com a cena, mas também com o sentimento que buscava despertar nos espectadores do documentário. “Além disso, outra questão que foi tratada muito cuidadosamente foram os direitos autorais. No começo eu confesso que fiquei bem perdida, mas, ao pesquisar sobre o assunto, consegui encontrar sites e canais com milhares de músicas, divididas em seções de acordo com cada estilo.”

Para a aluna, participar das entrevistas foi um dos momentos mais ricos do trabalho. “Poder ouvir e conhecer relatos sobre o passado dos cearenses foi realmente intrigante”, diz Yasmin. Ela ainda conta como encontraram uma solução simples para o desafio de captar o áudio. “Uma das partes mais complicadas desse processo foi captar a voz do entrevistado. Como não tínhamos equipamentos profissionais, pesquisamos alguns meios alternativos e optamos por fazer um microfone improvisado com uma parte de um fone de ouvido e um clip. Isso conseguiu suprir nossas necessidades e funcionou muito bem.”

Assista ao documentário completo!

Além das Secas

Sinopse: O documentário trata da escassez de água no Ceará, problema que se tornou uma dura realidade do lugar. Com filmagens feitas em diferentes localidades do estado, o objetivo é mostrar a visão do povo cearense que, durante muitos anos, foi intensamente castigado pelas longas estiagens, testemunhando suas dores, dificuldades e esperanças por um amanhã diferente.

Equipe realizadora:

Lethícia Alencar Maia Barros Sabrina Soares Bezerra Yasmin Felipe Rocha Santiago Profª Gláucia Maria Bastos Marques

 

Colégio Militar de Fortaleza – Fortaleza/CE

 

 

Para ver os outros documentários vencedores da 6ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa, clique aqui.


Conteúdo relacionado

Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

Fim do conteudo.
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé