Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        
Assunto: null
Autora: Marina Almeida
15 Dezembro 2021

Evento foi transmitido ao vivo e contou com plateia virtual de finalistas do concurso

Unindo distâncias por meio de telas e palavras, a cerimônia de encerramento da 7ª Olimpíada de Língua Portuguesa foi transmitida ao vivo na última sexta-feira, dia 10 de dezembro. No cenário de uma cidade olímpica virtual, a jornalista Karen de Souza e o influenciador digital Spartakus receberam convidadas, como Geni Guimarães, escritora homenageada desta edição, e apresentaram os(as) vencedores(as) do concurso deste ano. Pela plateia virtual, acompanhamos a torcida dos(as) finalistas de todas as categorias e a emoção dos(as) ganhadores(as).

A celebração contou com apresentações musicais da cantora e instrumentista Lucy Alves. Já a música “Na Ponta da Língua”, composta especialmente para esta edição, ganhou uma nova versão, com participações de Lucy Alves, Malcolm VL e Silvanny Sivuca, além do trio Gato com Fome e convidadas. O público também participou por meio dos chats e de mensagens que foram lidas ao vivo. Um grande evento para celebrar professores, professoras e estudantes que fazem a língua trilhar versos e caminhos de transformação.

“Ouvimos histórias bastante emocionantes de todos os cantos do Brasil. Soluções criativas e cenários desafiadores. O encontro de hoje é para celebrar essa trajetória de aprendizado que tivemos ao longo deste ano”, afirmou Angela Dannemann, Superintendente do Itaú Social. Anna Helena Altenfelder, presidente do Cenpec, lembrou dos desafios do contexto atual: “Nesta edição, especialmente, nós temos muito a comemorar. Podemos dizer que esta é uma edição especial porque foi realizada num contexto bastante adverso, que foi o da pandemia do Covid-19, e também porque trouxe muitas novidades e transformações que contribuíram para o aprimoramento da metodologia.”

Equidade

Angela ainda apontou que a pandemia intensificou as desigualdades brasileiras. De acordo com uma pesquisa recente do Itaú Social, famílias de baixa escolaridade e poucos recursos tiveram maior dificuldade de acompanhar e manter o engajamento de seus filhos na escola. “Ao menos 1/3 dos respondentes indicou medo de que seus filhos abandonem os estudos, sobretudo pela dificuldade em acompanhar as aulas pelo desafio da conectividade”, disse.

Por outro lado, Angela destacou que o trabalho docente passou a ser mais valorizado. “As famílias passaram a ver o professor como um profissional dedicado, necessário no ensino de seus filhos e filhas, principal vínculo com o aprendizado e contato com a escola. A 7ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa procurou ter um olhar atento para as desigualdades, tanto estimulando o trabalho de professores e professoras com todas as turmas quanto com a criação de mecanismos para garantir que escolas mais vulneráveis também sejam reconhecidas pelo concurso.” Vale ressaltar que esta edição adotou um critério de reserva de vagas para docentes que atuam em escolas com Inse (Indicador de Nível Socioeconômico das Escolas de Educação Básica) baixo ou muito baixo, e que estão abaixo da meta regional do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

Anna Helena salientou que a busca por aprimoramento acompanha a Olimpíada desde seu início, trabalho realizado em colaboração constante entre Cenpec, Itaú Social e parceiros como MEC, Fundação Roberto Marinho, Canal Futura, Undime e Consed. “Mas tivemos também uma contribuição fundamental dos professores e professoras participantes por meio dos Relatos de prática e das interações na nossa comunidade virtual. Nós ouvimos, analisamos as sugestões, as ponderações, as contribuições, sempre com uma preocupação de trazer a metodologia o mais próximo possível das reais necessidades dos trabalhos de professores e professoras”, diz. Ela ressaltou a importância de valorizar o trabalho desses(as) docentes, não só dos(as) finalistas e vencedores(as), mas de todos(as) os(as) participantes. “Todos e todas merecem ser aplaudidos, pois deram testemunho, num ano tão difícil, de que existe, sim, qualidade nas escolas públicas brasileiras.”

Os números desta edição mostram a abrangência desse trabalho desenvolvido pelos(as) docentes. Foram 112.510 inscrições, 59.008 professores(as) de 27.847 escolas de todos os estados brasileiros, alcançando um total de 3.877 municípios participantes.

Homenagem à Geni Guimarães

Escritora homenageada desta edição, Geni Guimarães também participou da celebração. Angela lembrou a presença ativa de Geni em diversos momentos do concurso, nas inscrições, nas conversas com professores(as) e na inspiração trazida por seus contos e poesias. “Desejo que sua produção literária continue a pastorear estrelas e traduzir o balbuciar das plantas, criando alicerces para professores e professoras brasileiros, que todos os dias se armam de alfabeto para oferecer uma educação de qualidade para os estudantes, que só se traduz com equidade”, disse em uma mensagem que remete a diversos trechos de versos de Geni.

Beatriz Cortese, gerente de tecnologias educacionais do Cenpec, ressaltou a identificação profunda dos(as) docentes com Geni por ela ser professora e escritora, além da emoção e reconhecimento nos sentimentos e situações descritos pela autora. “Ao ler o conjunto de Relatos, percebi que sua obra foi uma referência muito importante para vários dos trabalhos realizados nas salas de aula remotas, presenciais ou por meio de apostilas – porque tudo isso aconteceu este ano”.

Como parte das homenagens, diversas artistas negras leram trechos da obra de Geni Guimarães e falaram sobre a importância de seu trabalho para suas trajetórias. A escritora, cantora e atriz Elisa Lucinda interpretou o conto “Força Flutuante”.Ela também falou sobre a invisibilidade que os(as) artistas negros(as) sofrem no país e a importância do trabalho de Geni neste cenário. “É muito importante ler você, espalhar cada vez mais seu saber para todo mundo. Eu me emocionei demais com seus contos, sua força poética, a potência imagética do seu texto, que é muito moderno. Sua palavra, seu arranjo verbal é precioso e preciso, e fala com todo mundo, profundamente, com competência, emoção e razão, na medida da experiência”.

A escritora Conceição Evaristo também marcou presença, ressaltando que toda celebração à Geni é justa e necessária. “Homenageio Geni pela escritora que ela é, pela professora que ela é, pela voz das mulheres negras que ela vem ajudando a construir e a emitir através de sua literatura. E pela consciência de Geni que, como afro-brasileira, nós construímos e somos responsáveis por essa nação”. Ainda participaram das homenagens a jornalista e escritora Bianca Santana, a gestora do LiteraSampa Bel Santos Mayer, a poeta e atriz Luz Ribeiro, a escritora Jarid Arraes e a educadora e mestra em relações Étnico-raciais Ludmila Lis.

Emocionada em diversos momentos, Geni disse sentir que cumpre seu dever como mulher, negra e descendente de africanos. “Escrevo porque escrevo, faço poemas porque faço poemas, faço contos porque faço contos, não tem uma intenção velada. Escrevo porque tenho necessidade de ajudar na quebra do racismo, do preconceito e de fazer negros e brancos perceberem que a gente pode andar de mãos dadas, que pode ter trabalho para todo mundo, que não se pode mais assassinar tantas mulheres – e mais de 60% negras –, não posso dormir com isso calado na cabeça. Não posso!”. Para contar porque era escritora e poeta, Geni declamou seu poema “Minha mãe”. Ela também ganhou uma placa de homenagem da Olimpíada de Língua Portuguesa.

Vencedores e vencedoras

Entre apresentações musicais, foram anunciados(as) os(as) vencedores(as) de cada categoria. Pelas telas da plateia virtual, conhecemos o rosto de professores e professoras selecionados(as), e pudemos compartilhar da emoção, alegria e torcida de seus(suas) estudantes e familiares (confira lista de vencedores(as)).

Os(As) vencedores(as) serão premiados(as) conforme consta no regulamento do concurso, que pode ser conferido aqui.

A 7ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa foi encerrada com música, alegria e esperanças renovadas nas transformações geradas pela educação. Após um ano de imensos desafios, seguimos com a certeza de que a educação brasileira está em boas mãos.


Confira a cerimônia de encerramento da 7ª edição da Olimpíada de Língua Portuguesa:


Conteúdo relacionado

Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

Fim do conteudo.
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Programa Escrevendo o Futuro / Olimpíada de Língua Portuguesa
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé