Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Do interior de Rondônia para o mundo

Inicio do conteudo
Assunto: null
Autor(a): Jéssica Nozaki
26 Abril 2017
Leonardo no debate da Oficina de Artigo de Opinião 2016

Conversar com Leonardo Silva Brito é surpreender-se com sua gentileza, desenvoltura e senso de responsabilidade. Com apenas 17 anos, o estudante de Presidente Médici (RO), apaixonado por cinema, café e Coldplay, coleciona feitos notórios: teve participações de destaque em Olimpíadas de Astronomia e de Física; foi medalhista nacional e internacional no concurso de cartas da União Postal Universal; assumiu a coordenação local de uma rede voluntária que articula a troca de cartas entre alunos de todo o mundo; representou seu estado no Programa Jovem Senador; entre outros êxitos importantes, incluindo a classificação como finalista na 5º edição da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro - categoria Artigo de Opinião.

Agora, Leonardo celebra sua conquista mais recente: a aprovação nas universidades de Stanford, Columbia, Tufts e Harvard, nos Estados Unidos. O estudante, que diz sempre ter sido “movido por um desejo insaciável de compreender o mundo”, se valeu das habilidades de leitura e escrita, e do envolvimento da coordenação pedagógica da escola estadual Carlos Drummond de Andrade, dos professores e da família, para se engajar nesses projetos e alcançar resultados tão admiráveis.

 

■ Qual é a sua história com a escrita?

A escrita está presente em minha vida desde a infância. O poder de transmitir informações, ideias e sentimentos de uma maneira pessoal e ao mesmo tempo universal sempre me cativou. Meus pais me incentivavam a ler e escrever, o que se materializou nas leituras que minha mãe fazia para meu irmão e para mim na hora de dormir; nos livros que ela comprava para nós; e até nos bilhetes que éramos estimulados a escrever, seja para anotar um recado ou para fazer a lista de supermercado. Essas atividades despertaram o desejo de escrever minhas narrativas.

Além do apoio familiar, recebi muito incentivo do corpo docente da minha escola. A imersão em um ambiente estimulante combinada com minha paixão me permitiu evoluir no processo de leitura e escrita, atividades que se tornaram parte do meu cotidiano.

 

■ Atualmente, você coordena um projeto voluntário chamado Letters for Learning, que incentiva a escrita de cartas. Como funciona esse projeto?

O Letters for Learning é um projeto sem fins lucrativos que busca ensinar a língua inglesa por meio da troca de cartas entre alunos de diferentes países, valorizando o intercâmbio cultural. Tomei conhecimento do Letters em 2015, ano em que conheci o fundador Gabriel Saruhashi, e me ofereci para auxiliar na expansão da rede. Hoje impactamos mais de 80 crianças, mobilizando dezenas de voluntários em polos no Brasil, nos Estados Unidos, na Índia e em Gana, já tendo sido agraciados com prêmios de empreendedorismo social, como o Harvard Village to Raise a Child.

 

■ Como se deu a participação de sua escola na Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro? O que você leva dessa experiência?

Minha professora de língua portuguesa, Alessandra Cegobia, realizou diversas oficinas e organizou debates sobre temas polêmicos de forma a nos preparar para a escrita do artigo de opinião. Sou muito grato pelo engajamento de toda a equipe escolar para proporcionar uma experiência em que pudéssemos não só produzir textos, mas também aprimorar nossa capacidade argumentativa.

Esse trabalho resultou em minha classificação como semifinalista e na participação no Encontro Regional da Olimpíada, momento extremamente marcante em minha vida. As oficinas dessa etapa despertaram em meu coração o desejo de continuar a escrever independentemente da profissão que eu siga.

Os debates foram, a meu ver, a parte mais instigante de todo o Encontro. Vivenciar a sinergia e a vontade de mudança de inúmeros jovens, vindos dos mais diversos cantos do país, foi de arrepiar. Os temas abordados geraram profundas reflexões e acirradas discussões, nos tirando da zona de conforto e estimulando o pensamento crítico e o respeito com as opiniões do próximo, qualidades indispensáveis ao cidadão de uma nação democrática.

Posso dizer que a Olimpíada aprimorou meus conhecimentos e meu estilo de escrita, me levou a conhecer pessoas incríveis, permitiu que eu aumentasse meu acervo de livros e me fez acreditar que é possível alcançarmos uma educação pública de qualidade, com jovens engajados e professores motivados. Amei tudo isso – e o que a memória ama fica eterno!

 

■ E quanto ao tema “O lugar onde vivo”? Como foi pensar a respeito disso?

Esse tema permite que nós, estudantes, desenvolvamos um olhar atento sobre o local onde vivemos, suas origens, histórias, evoluções e problemas. Tudo isso nos impele a pensar em mudanças sociais em escala local, a valorizar, a querer transformar esse lugar. Penso que o tema é um chamado para a juventude, convocando-a para ser o primeiro foco de mudança em nível regional e a valorizar as características únicas de cada microcosmo.

 

■ Na cerimônia de premiação da 5ª edição da Olimpíada, você discursou em nome de todos os alunos participantes. Como foi esse momento e por que, em sua fala, você se referiu à Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro como a Olimpíada mais humana de que já participou?

Foi uma honra ser o porta-voz de tantos estudantes. Ao discursar, pensei nos alunos que desejavam estar ali, nas pessoas envolvidas e na minha comunidade. Minha intenção foi a de tornar aquele momento memorável para todos, pois assim foi a Olimpíada para mim. Quando falei sobre ser um programa humano quis deixar claro que, para além da competição, havia ali um espírito de solidariedade, de companheirismo, de coletividade e de colaboração. O Programa Escrevendo o Futuro transforma vidas, transforma pessoas e comunidades, e nos faz acreditar que todos podem evoluir em seus conhecimentos.

 

■ Você acabou de ser admitido para a graduação, com bolsa integral, nas renomadas universidades estadunidenses de Stanford, Columbia, Tufts e Harvard. Quais são seus planos agora? A que atribui essa conquista?

Recebi a notícia da aprovação, juntamente com meus pais, com muita alegria e gratidão, mas ainda não fiz a escolha pela instituição. Estou recebendo ligações, e-mails, e entrando em contato com ex-alunos para que eu possa tomar essa decisão.

Durante o processo de admissão, além das provas padronizadas, entrevistas, análise de currículo e de cartas de recomendação, precisei escrever diversos textos contando minha história, objetivos e sonhos. Portanto, a escrita tem papel fundamental nessa conquista.

 

■ Você se define como fascinado pela língua e por matemática aplicada. Acredita que esses interesses sejam contraditórios?

As ciências exatas são uma linguagem e, assim, exigem a escrita para criar ordem e clareza. Embora as pessoas acreditem que sejam interesses antagônicos, vejo que uma coisa não poderia existir sem a outra. Na verdade, eu gosto de estudar sobre tudo, seja filosofia clássica, ciência política ou física moderna, e a escrita me ajuda a transitar por essas diferentes áreas.

 

■ Temos visto estudantes secundaristas participando e liderando movimentos sociais, discutindo as principais pautas da atualidade. Como você vê isso? Você participa de algum movimento social ou político?

Vejo com muitos bons olhos, pois é importante que os jovens se façam presentes nas frentes de transformação do mundo. Acompanho as movimentações estudantis e conheço diversas jovens lideranças. Recentemente, eu e meus colegas do Projeto Parlamento Jovem Brasileiro, nos articulamos para reinserir o estado de Rondônia no programa, excluído sem justificativa da lista de participantes.

 

■ Como é seu processo de escrita? Quais são os desafios na hora de produzir um bom texto?

Primeiramente pesquiso sobre o tema que vou escrever, buscando informações confiáveis em diferentes fontes. Em seguida faço um planejamento do texto, levando em consideração o gênero, a finalidade e o interlocutor. Redijo o primeiro rascunho, como se fosse uma tempestade de ideias. Depois, leio o que escrevi e faço alterações até chegar ao resultado desejado. O computador ajuda muito nesse processo, pois não é mais necessário “ficar passando a limpo”, mas acredito que um texto nunca fica totalmente pronto: sempre que releio penso em mudar algo. Antes eu achava que a palavra que definia a produção de texto era ‘inspiração’; depois do trabalho desenvolvido em minha escola, eu penso que a melhor definição é ‘trabalho’.

 

Assista ao discurso de Leonardo na cerimônia de premiação da 5ª edição da Olimpíada:

Clique aqui para ler o artigo de opinião escrito por Leonardo.


Conteúdo relacionado

Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

Fim do conteudo.
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé