Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Home
Notícias
Educação e Cultura
Festa Literária Internacional de Paraty

Festa Literária Internacional de Paraty

Assunto: null
Autora: Alana Queiroz
05 Julho 2018

A 16ª edição da Festa Literária Internacional de Paraty, mais conhecida como FLIP, está próxima. O conhecido evento acontecerá entre os dias 25 e 29 de julho na cidade de Paraty, às margens do rio Perequê-Açu. A Flip traz uma programação que inclui palestras, discussões acerca da literatura e as mais diversas manifestações artísticas e culturais. A festa também oferece atividades para as crianças, a Flipinha, e para os adolescentes e jovens há a Flipzona.

A Flip conta com a participação de 33 convidados para compor sua programação principal. Entre os destaques brasileiros estão a atriz Fernanda Montenegro, na abertura do evento, ao lado da pianista e compositora Jocy de Oliveira; Geovani Martins, escritor de O sol na cabeça; o cantor e compositor Zeca Baleiro; a atriz Iara Jamra; e a escritora do livro Quem tem medo do feminismo negro?, Djamila Ribeiro. Entre alguns destaques internacionais estão a autora franco-marroquina Leïla Slimani, autora de Canção de ninar; a russa Liudmila Petruchévskaia, de Era uma vez uma mulher que tentou matar o bebê da vizinha; o estadounidense Colson Whitehead, do premiado Underground Railroad: os caminhos para a liberdade; e o egípcio André Aciman, escritor do livro Me chame pelo seu nome, que serviu de inspiração para o  filme de mesmo nome, ganhador do Oscar 2018 de melhor roteiro adaptado.

Durante todas as edições, a Flip prestou homenagem a um escritor brasileiro, com o objetivo de exaltar a sua importância. Ao lado de autoras como Clarice Lispector (2005) e Ana Cristina César (2016), Hilda Hilst será a terceira mulher a ocupar os holofotes da grande festa, sendo homenageada após 14 anos de sua morte.

 

Hilda Hilst: vida e obra 

Hilda Hilst, durante muitos anos, questionou o fato de sua obra ocupar um espaço limitado na literatura nacional e criticou os problemas de distribuição e a pouca popularização de seus livros. Sua obra foi rotulada como marginal e hermética, porém, logo no início de sua carreira, quando publicou Presságio,seu primeiro livro, teve apoio de Jorge de Lima e Cecília Meireles. Hilda sempre pareceu uma mulher à frente de sua época, não era comum em pleno anos 50 que uma jovem inteligente, bonita e brilhante falasse abertamente de eroticidade em seus textos. A também escritora e amiga de Hilda, Heloneida Studart, disse que o grande azar de sua vida foi ter nascido mulher: "Se Hilda fosse homem já a teriam saudado como um de nossos escritores mais criativos". E é o que de fato acontece atualmente, sua fama vem se espalhando e Hilda tem se tornado cada vez mais influente, seu trabalho vem sendo objeto de estudo e inspira diversos artistas e escritores. 

Hilda escreveu por quase 50 anos, sua obra caminhou entre a poesia, a prosa e o teatro. A poesia foi que deu início à sua carreira, e o tom poético esteve presente em todas as suas obras desde então. Em 2017 foi lançado pela Companhia das Letras o livro Da poesia, uma edição composta por todo o acervo poético de Hilda, com poemas inéditos e ilustrações da própria escritora. A singularidade da sua poesia é vista através das temáticas trabalhadas, que exploram o amor, o erotismo, a morte, a loucura, o misticismo e a solidão.  Em prosa, Hilda publicou alguns livros, como o romance A Obscena Senhora D, tendo também se arriscado na criação dramatúrgica - no período entre 1967 e 1969, ela escreveu oito peças teatrais, justificadas pela necessidade de se comunicar com as pessoas, em uma época em que o país estava preso a um regime ditatorial, que censurou e limitou o pensamento humano. Hilda usou da voz poética como uma proposta de transformação ao cenário atual, de forma que através de seus textos e das manifestações artísticas teatrais, pudesse denunciar e alertar a população da urgência de um posicionamento acerca das relações humanas atuais. 

Biografia


Hilda de Almeida Prado Hilst (Jaú, SP, 1930 - Campinas, SP, 2004). Poeta, ficcionista, dramaturga e cronista. Após a separação de seus pais, em 1932, muda-se com a mãe, Bedecilda Vaz Cardoso, para Santos, e, em 1937, para São Paulo. Cursa o primário e o ginásio no internato do Colégio Santa Marcelina. Completa os estudos secundários no Instituto Mackenzie, em 1947. No ano seguinte, ingressa na Faculdade de Direito do Largo São Francisco, graduando-se em 1952. Sua estreia em livro ocorre em 1950, com a publicação do livro de poemas Presságio. Em 1966, determinada a dedicar-se apenas à literatura, muda-se para a Casa do Sol, chácara em Campinas. Nesse ano, morre seu pai, Apolônio de Almeida Prado Hilst, que desde 1935, diagnosticado esquizofrênico paranoico, passa por períodos de internação em hospitais psiquiátricos - episódios relacionados ao momento tornam-se motivos recorrentes na obra de Hilda. Entre 1967 e 1969, escreve oito peças teatrais, parcialmente inéditas até 2009. Em 1970, estreia na prosa, com a publicação de Fluxo-Floema. A mãe, internada desde o início da década de 1960 também em hospitais psiquiátricos, morre no mesmo ano. Em 1990, com a publicação de O Caderno Rosa de Lori Lamby, anuncia que vai aderir à literatura pornográfica. Após sucessivas internações em decorrência de isquemias e tumores no pulmão, Hilda morre, em 2004.

Fonte: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa3170/hilda-hilst


Um pouco mais sobre Hilda Hilst:

Documentário “Hilda Humana Hilst”


Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários
Adicionar comentário
Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.
Clique aqui para se identificar
Título
Comentário
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime
 
Consed
Coordenação técnica
Cenpec
Iniciativa
Itau
 
Ministerio da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310