Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Ocupação Conceição Evaristo

Inicio do conteudo
Assunto: null
Autor(a): Texto: Esdras Soares e José Victor Nunes Mariano / Edição: Tereza Ruiz
12 Maio 2017
Ocupação COnceição Evaristo

Itaú Cultural exibe até 18 de junho a Ocupação Conceição Evaristo, uma exposição dedicada à escritora mineira. A artista é a 34ª homenageada do programa Ocupação Itaú Cultural, que este ano se dedica a mulheres brasileiras que atuam no campo da arte e da cultura.

Conceição Evaristo nasceu em 1946, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Além de escritora, a autora é educadora, doutora em Literatura Comparada pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e desenvolve pesquisas na área da literatura africana e afro-brasileira. Iniciou suas publicações em 1990, no periódico “Cadernos Negros”, dedicado à difusão de escritores afro-brasileiros. Continuou publicando em coletâneas e antologias ao longo dos anos 90 e, em 2003, com a publicação de “Ponciá Vicêncio”, ganhou reconhecimento nacional e internacional. Nos anos seguintes, publica outro romance, “Becos da Memória” (2006); o livro “Poemas da recordação e outros movimentos” (2008); e os livros de contos “Insubmissas lágrimas de mulheres” (2011), “Olhos d’água” (2014) e “História de leves enganos e parecenças” (2016). É com o livro de contos “Olhos d’água” que Evaristo foi agraciada com o Prêmio Jabuti, maior premiação literária brasileira.

A autora, criadora do termo “escrevivência” – que ela mesma define como a escrita a partir do cotidiano e da experiência pessoal – costuma dizer que sua obra é construída a partir da sua “condição de mulher negra”. Nessa perspectiva, vida e obra são indissociáveis e as memórias são acionadas para a composição literária. Assim, naturalmente questões ligadas à raça, classe e gênero são latentes em sua produção. É comum na obra da autora a evocação de figuras familiares como a filha, mãe, avó, bisavó, etc. Dessa forma, ancestralidade é matéria essencial para suas narrativas, retomando a experiência de seus antepassados a fim de melhor entender as angústias e também felicidades presentes na vida da população negra hoje. Atualmente, Conceição Evaristo é referência para toda uma nova geração de escritores negros.

A Ocupação Conceição Evaristo é uma imersão no universo experiencial e criativo da autora. Cuidadosamente concebida e organizada, a cenografia é acolhedora e convidativa. A sensação é de adentrar uma espécie de morada interior na qual a dimensão simbólica e material são inseparáveis: o visitante pisa um chão de tijolos de barro que remete às construções simples e de poucos recursos, e se desloca entre painéis de tecido com cores, bordados, tramas, texturas e palavras, como se a mesma linha pudesse percorrer um caminho fluido na tessitura de vida e texto. Para realizar essa concepção artística e expográfica em parceria com a equipe do Itaú Cultural, foi convidada Aline Motta, que estendeu o convite a mais outras três artistas negras, Janaína Barros, Lídia Lisboa e Rita Damasceno, responsáveis pelos quatro painéis em tecido, de bastante destaque e impacto na Ocupação.

A exposição traz cartas pessoais, manuscritos originais de suas obras, fotografias de família, livros de referência e vídeos que compõem fragmentariamente memórias e experiências de toda uma vida, como a mudança para o Rio de Janeiro, o casamento, o nascimento da filha e a saudade de casa. A partir dos livros expostos, o visitante tem a possibilidade de conhecer as referências literárias de Conceição Evaristo, além de poder manusear exemplares do periódico “Cadernos Negros”, publicação que ocupa papel fundamental na trajetória da escritora.

O papel da escola aparece em destaque, tanto no que diz repeito à vivência como aluna quanto professora: há fotos de sala de aula, documentos oficiais e uma placa de madeira e metal, da década de 70, com os dizeres: “Maria C. Evaristo - Professora”. Segundo Ana Estaregui, do Núcleo de Educação e Relacionamento do Itaú Cultural, a escritora, que também assina a curadoria da exposição, fez questão de contemplar sua trajetória no campo da educação, que parece ter a mesma importância do seu ofício de escritora.

Dentre os inúmeros elementos significativos presentes na Ocupação, talvez o de maior impacto seja a água. Ela está no áudio e em imagens da videoinstalação, em fitas e tecidos de diferentes tons de azul, nos trechos do conto "Olhos d’Água" e do poema "Meia Lágrima", impressos em algumas das obras, e em uma bacia de alumínio – semelhante às utilizadas pelas lavadeiras, profissão de Dona Joana, mãe da escritora – onde imagens são projetadas. Essa forte presença da água está carregada de dimensão simbólica, como a evocação à natureza fluida da memória e à experiência da diáspora africana.

A Ocupação também foi ocasião para a retomada de um antigo projeto criado por Conceição Evaristo e por amigas escritoras – como Esmeralda Ribeiro, Geni Guimarães e Miriam Alves – chamado “Cartas Negras”, cujo objetivo era a correspondência entre elas, com temas ligados ao universo feminino e negro. Nesse novo momento a iniciativa integrou vozes da nova geração de escritoras negras, como Ana Cruz, Ana Maria Gonçalves, Cristiane Sobral, Débora Garcia, Elizandra Souza, Jenyffer Nascimento, Lívia Natália, Mel Adún e Raquel Almeida. Toda a correspondência foi reunida e publicada em um livreto disponibilizado pelo Itaú Cultural em versões física e digital.

Além da exposição, a iniciativa conta com um site onde estão disponíveis diversos materiais e conteúdos exclusivos, como entrevistas com a escritora e com estudiosos sobre sua obra. Você pode acessar o site, clicando aqui.

Também haverá um encontro presencial de Conceição Evaristo com educadores. O tema é “Discursos literários e inscrições de Afro-brasilidade” e a proposta é a discussão, a partir de textos literários, sobre a diversidade social e étnico-racial da sociedade brasileira. Na ocasião, a autora também vai compartilhar sua experiência como professora de escola pública. O encontro será no dia 27 de maio, no Itaú Cultural (SP) e as inscrições poderão ser feitas de 23 a 26 de maio, no site www.itaucultural.org.br.

Confira abaixo a versão digital da publicação “Cartas Negras” e um vídeo sobre uma professora que trabalhou a obra de Conceição Evaristo em uma escola pública do Rio de Janeiro.

Versão digital da publicação “Cartas Negras”


Conteúdo relacionado

Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

Fim do conteudo.
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé