Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Portal da Olimpiada de Lingua Portuguesa Escrevendo o Futuro. Linkes rede sociais.        

Relato de prática: o que escrever? como escrever?

Inicio do conteudo
Luiz Henrique Gurgel

 

Anotar as experiências vividas na prática cotidiana da sala de aula é tão importante quanto planejar as aulas e os conteúdos para o semestre ou para o ano. É um dos principais instrumentos para refletir sobre o trabalho desenvolvido. O registro de impressões, as descobertas, os aspectos que funcionaram ou que não funcionaram durante as atividades permitem pensar sobre o que se fez e sobre o que se pode melhorar. Para ajudar a pensar nisso, a Comunidade Virtual foi buscar indicações e sugestões com quatro especialistas sobre como preparar e escrever um bom relato de prática. Pedimos que respondessem a algumas questões. Veja quem são e o que disseram.

Anna Helena Altenfelder é doutora em Psicologia da Educação e superintendente do Cenpec.

Luiz Percival Leme Britto é doutor em Linguística e professor da Universidade Federal do Oeste do Pará.

Maria Tereza Antonia Cardia é doutora em Psicologia da Educação e membro da coordenação da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro.

Zoraide Faustinoni é pedagoga, pesquisadora e membro do Comitê Editorial do Cenpec.

 


Questão 1: por que é importante relatar a prática das experiências e trabalhos de sala de aula?

Anna Helena Altenfelder - O relato divulga o trabalho do professor, ajudando outros educadores a desenvolverem suas práticas. As realidades podem ser diferentes, mas os desafios que eles enfrentam muitas vezes são os mesmos. Por isso é útil conhecer como um colega enfrentou um desafio, resolveu uma questão e saber os instrumentos que usou para promover a aprendizagem. Ele subsidia a atividade de outros professores e nesse sentido tem um papel formativo. Mas ele também é formativo para o próprio educador. Registrar as ações é fundamental para o processo de reflexão, aprimora a própria prática. Deve ser parte integrante da atividade docente. Um relato de prática pode mostrar que dentro da escola pública existem professores comprometidos que promovem aprendizagem.

 

Luiz Percival Leme Britto - As teorias informam o conhecimento, explicam, estabelecem referenciais. Mas é na prática pedagógica que o conhecimento se realiza e se adquire; relatar a prática é, portanto, a melhor maneira de reconhecer as dinâmicas e tensões do processo de ensino e aprendizagem.

 

Maria Tereza Cardia - Ao reunir e organizar os dados e as ideias para relatar sua experiência para terceiros, o professor reflete sobre o processo e pode se dar conta do que foi importante para a aprendizagem na sua atuação junto à turma. Esse é um momento propício a descobertas, que poderá gerar transformações em sua prática. O relato também é importante porque possibilita partilhar com outros a sua experiência e os seus aprendizados. Ouvir contar sobre experiências exitosas pode ser inspirador para outros educadores! Por fim, o relato é muito importante para a equipe da Olimpíada, pois permite conhecer como se deu a experiência nas salas de aula, de que modo o material está sendo utilizado, quais as dificuldades que o professor enfrenta nas mais diversas realidades brasileiras. Com base na análise dos relatos são feitas melhorias nos materiais e ofertados novos recursos, que mais plenamente atendam as demandas identificadas.

 


Questão 2: que registros e informações pode-se utilizar/incluir nessa forma de relato?

Zoraide Faustinoni - Nesse tipo de relato é importante incluir:

  • Período em que o trabalho foi desenvolvido, outras pessoas/profissionais que participaram.
  • O que motivou o desenvolvimento do trabalho: Partiu de um diagnóstico da aprendizagem dos alunos? Foi uma tentativa de motivar os alunos? Havia uma insatisfação com a forma como o professor vinha desenvolvendo seu trabalho? A proposta que originou o relato reforçava suas concepções e método de trabalho? Etc.
  • A forma como o trabalho foi iniciado com os alunos: houve envolvimento dos alunos? Os objetivos do trabalho foram explicitados? Os alunos se comprometeram com as etapas e metas do trabalho?
  • O processo: ajustes que foram sendo feitos, o que deu certo, o que não deu, como os obstáculos foram sendo contornados.
  • Os resultados: o relato dos resultados pode vir acompanhado de produções dos alunos que mostrem sua evolução, portfólios, depoimentos, auto-avaliação, vídeos, fotos etc.
  • Reflexões possibilitadas pelo trabalho realizado, indicações de continuidade, replanejamento.

 

Anna Helena Altenfelder - Tem que ter a descrição da proposta É sempre interessante ele incluir exemplos da fala dos alunos ou pequenos trechos dos textos dos alunos, fotos, ou o próprio diário que ele possa ter feito durante o trabalho, isso tudo ajuda.

 

Luiz Percival Leme Britto - É preciso tomar a aula como um acontecimento (termo que empresto de Wanderley Geraldi), como um processo vivo e dinâmico, em que as subjetividades se manifestam e se reconhecem. É aí que, insisto, o conhecimento se faz para os participantes do processo pedagógico. É claro que o planejamento é essencial, mas isso não significa que todos os aspectos importantes da aula podem ser controlados ou previstos. O relato deve trazer de um lado aquilo que do planejado mostrou resultado e, por outro, tudo o que surgiu no processo, em função das formas de ser e de perceber dos alunos - os problemas e perguntas que emergiram, as dificuldades enfrentadas, as soluções encontradas. O registro deve focar o que ensina tanto o aluno como também a nós, professores.

 

Maria Tereza Cardia- Olhando para trás, procure delimitar o período abrangido pela experiência que pretende relatar – é interessante ter bem definidos o início e o término para que possa reunir todas as anotações que encontrar relativas a esse período. Serão úteis o plano das aulas, as produções dos alunos e todo o tipo de registro ou material que o ajude a relembrar sua trajetória com a classe ao ensinar a escrita daquele gênero textual. Releia-os, destacando o que julgou importante. Provavelmente desta releitura você fará novas descobertas – registre-as para depois incluí-las em seu relato. Procure identificar quais foram as suas contribuições que ajudaram os alunos a superar suas dificuldades e se apropriar da escrita do gênero ensinado por você.

Vale também fazer consultas à memória dos que viveram o processo: perguntar aos alunos do que lembram, o que mais os marcou, pedir que contem alguma descoberta ou algo novo que aprenderam; conversar com colegas, coordenador e quaisquer pessoas que tenham colaborado nesse percurso. Observação, registro, análise, avaliação da aprendizagem dos alunos embasarão a sua escrita. Por fim, mãos à obra. Escrever, rever, reescrever... até dar por concluído!

 


Questão 3: quais os principais cuidados e preocupações que ele deve ter na hora de elaborar esse tipo de relato?

Maria Tereza Cardia - Ter o cuidado de reunir o maior número de “vestígios” do processo vivido. Olhar com calma para o que coletou, procurando tomar distância. Fazer e registrar perguntas, procurar respondê-las apoiado nos dados que contempla. Lembrar que o leitor deseja conhecer o que houve de particular, quais foram as dúvidas que você, professor, teve, as dificuldades que surgiram e como lidou com elas, o que toma especial e único aquilo que viveram.

 

Zoraide Faustinoni - É importante que o relato seja objetivo, mas ao mesmo tempo vivo. Um relato que possibilite ao leitor enxergar o processo, o movimento do grupo de alunos e professor, que não seja “burocrático, mecânico, frio”.  É importante que seja bem escrito, claro, coerente, sem repetições ou dados desnecessários. É interessante que o relato seja lido por outras pessoas que podem apontar aspectos que não estão muito claros ou consistentes, por exemplo. Finalmente, o texto precisa ser revisado pelo próprio autor ou por um especialista em revisão de texto.

 

Luiz Percival Leme Britto - Penso que o professor deve assumir que o relato é parte integrante de sua ação educativa e, nesse sentido, fazê-lo o tempo todo. Ou seja, não o momento específico de anotações, mas sim o cuidado de registrar tudo o que aparecer algo interessante durante a atividade. E também há que entender que o relato é para si (é uma forma de organizar e avaliar sua produção) e para os outros, na medida em que contribui para que possamos pensar o funcionamento da aula. Então, é importante que haja informação suficiente para que o outro possa compreender o que, como e porque se desenvolveu.

 


Questão 4: como não confundir 'relato' com 'relatório'?

Luiz Percival Leme Britto - Essa é uma pergunta muito importante. Podemos dizer que, em termos gerais, um relatório é a apresentação do que se fez (seja projeto, uma atividade); o relato, ainda que possa trazer alguns aspectos do relatório, quer por em evidência a experiência, de forma que possamos aprender com ela. Por isso, no relato se valoriza o acontecimento, a descoberta e a reflexão sobre isso. Pode-se dizer que ele seria mais subjetivo (o que me parece razoável), mas o mais importante é perceber que seu valor está em trazer para o centro do debate o movimento de fazer o conhecimento por parte dos envolvidos no processo pedagógico.

 

Zoraide Faustinoni - O relatório é mais impessoal, formal e, em geral, há um roteiro com itens que precisam ser seguidos obrigatoriamente.  O relato não é rígido, é mais pessoal, trata de uma experiência vivida e por isso vem colorido com emoções, sejam de frustração ou de alegria pelos resultados.

 

Anna Helena Altenfelder - O relatório é mais frio, enumera e descreve fatos. O relato traz o processo vivido. E, mais que tudo, ele tem que trazer emoção. Eu li 300 relatos de professores participantes de 2002 para elaborar um material de formação chamado A voz do professor. Foi uma experiência interessante. Entrei em contato com professores do Brasil todo, com os modos de fazer e de ser desses professores e muitas vezes fiquei emocionada, fosse pelos obstáculos enfrentados, fosse pela garra e determinação dos professores ou pelo sucesso conquistado. É importante trazer essa emoção do sofrimento e da conquista. No relatório o professor vai trazendo não só a descrição pura dos fatos, mas como ele se sentiu, quais foram as suas reflexões. Ele não é alguém que olha objetivamente de fora o processo, ele é alguém imbricado no processo. E olha que uma descrição apurada dos fatos é importante, o relato pode ficar vago, sem que o leitor o entenda. É importante imaginar que o leitor não participou do processo.

 


Questão 5: um bom relato deve apresentar apenas os êxitos do trabalho?

Anna Helena Altenfelder - O relato deve apresentar o processo, esse é o objetivo. Um processo educativo não é feito só de êxitos. É constituído de desafios, de dificuldades e também, claro, de êxitos alcançados. Mas se pensarmos que ele serve de parâmetro e referência para outros professores, é exatamente a visibilidade dos desafios e das dificuldades e de como foram ou não superados, é que dá a veracidade a um relatório. Todo mundo que conhece uma sala de aula sabe dos desafios. Os eventuais momentos em que não se conseguiu alcançar o que se queria, quando é descrito, dá uma veracidade e uma identificação de quem esteve em sala de aula.

 

Maria Tereza Cardia - Certamente que não! Quando você lê um texto que só mostra os momentos exitosos, não fica com uma sensação de que o autor “maquiou” a realidade e não quis contar o que de fato aconteceu?


Zoraide Faustinoni - Um bom relato deve apresentar também o que não deu certo, as dificuldades, a forma como os problemas foram enfrentados.  Ninguém dá crédito a um relato em que tudo deu certo!


Conteúdo relacionado

Comentários

Ver mais comentários

Adicionar comentário

Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.

Clique aqui para se identificar

Título

Fim do conteudo.
inicio do rodapé
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime, União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação
 
Conséd, Conselho Nacional de Secretários de Educação
Coordenação técnica
Cenpec, Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária
Iniciativa
Itaú
 
Ministério da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310
Fim do rodapé