Saltar para o conteúdo Saltar para o menu Saltar para o rodapé Fale conosco
Home
Biblioteca
Nossas Publicações
Revista
Artigos
O trabalho com pesquisa na escola: em busca da autoria do aluno pesquisador

O trabalho com pesquisa na escola: em busca da autoria do aluno pesquisador

Assunto: null
Autor(a): Jaqueline Peixoto Barbosa e Cristiane Cagnoto Mori, NPL nº 20

Sugestões para incentivar seu aluno a investigar e não apenas “recortar e colar da internet".


Jacqueline Peixoto Barbosa
e Cristiane Cagnoto Mori

O movimento entre produção e leitura é para nós um
movimento que vem da produção para a leitura e desta retorna
à produção (ao inverso do que costumam ser as práticas
escolares tais como aquelas propostas pelos livros didáticos).

Geraldi, 1991, p. 188.

 

Com uma advertência para a falta de sentido (e de objetivo) como muitas atividades de leitura são propostas e desenvolvidas na escola, Geraldi (1991) vai propor o movimento descrito na epígrafe entre as práticas de leitura e escrita: deveria ser para ter o que dizer em certas situações de comunicação que os alunos leriam, buscariam parte do que já foi dito a esse respeito, dialogariam com essa produção etc. Nessa direção, pode-se pensar que a apropriação de procedimentos de pesquisa pode ajudar na concretização desse movimento metodológico entre as práticas de uso da linguagem.

O problema de fundo, porém, permanece em função do tipo de trabalho com pesquisa proposto na maioria das escolas. Grande parte das atividades trata a pesquisa como atividade de complementação de conteúdos estudados ou algo que precisa ser feito por possibilitar o uso das TICs (Tecnologias de Informação e Comunicação) e/ou por lidar com busca e seleção de informação.

Trata-se de uma atividade comum, para a qual, em geral, se oferece pouco suporte: propostas descontextualizadas, que carecem de objetivos claros e de formas de socialização definidas. Alimenta-se assim mais um paradoxo da escola: cobra-se algo – fazer pesquisa – que deveria ser ensinado, mas que muitas vezes não o é. Em função disso, não raro o processo de desenvolvimento se resume ao uso do procedimento “recorta e cola”. Para vislumbrar uma solução, é preciso discutir a natureza e os propósitos das atividades de pesquisa na escola.

A pesquisa escolar até pode gerar novos conhecimentos (sobre a escola ou o bairro, por exemplo), mas, em geral, trabalha com a reconstrução de conhecimentos existentes. Além disso, o trabalho com pesquisa na escola visa à aprendizagem de procedimentos e ao desenvolvimento de habilidades para tratar informações e dados.

Na chamada sociedade da informação é preciso que as informações (amplamente disponíveis) possam se converter em conhecimento: é fundamental que a escola ensine a buscar, selecionar, relacionar, analisar, divulgar, redistribuir, remixar e operar com a diversidade de informações.

A almejada formação de sujeitos autônomos e críticos passa pelo desenvolvimento de habilidades e aprendizagem de procedimentos de pesquisa. Mas o que é pesquisar?

Em definições de pesquisa apresentadas nos dicionários, vemos que as ações de indagar e buscar estão sempre acompanhadas de uma especificação (“com diligência”; indagação “minuciosa”).

Se pesquisar envolve investigação, triangulação de dados/informações, procedimentos metodológicos, estabelecimento de diferentes níveis de relação para a construção da resposta à questão de pesquisa, atividades que demandam respostas diretas a perguntas simples como: “Os anos 2000, 2004 e 2008 são chamados de bissextos. Por quê? Quais serão os próximos anos bissextos?”¹, não podem ser tidas como atividades de pesquisa.

Além da confusão entre “busca simples” e “pesquisa”, o problema de algumas propostas é a falta de orientação em relação ao processo. A seguir alguns exemplos.

O que e onde deverão pesquisar? Em que gênero deverão organizar o resultado da pesquisa? Com quem os resultados de pesquisa serão socializados?

Sobre imigração o que devem focar? Isso não precisa ser dado previamente, pode ser construído pelos alunos, mas é preciso prever uma mediação por parte do professor. Como devem anotar as informações: em tópicos, numa transcrição de entrevista, num relato biográfico?

Neste exemplo, propõe-se um levantamento de dados, mas não há proposta para a forma de registro dos dados parciais e finais, nem uma triangulação com outras fontes de pesquisa. A relevância da questão é indiscutível e poderia contar com a leitura de textos que apresentassem posicionamentos diante da questão. O argumento dado pelos entrevistados poderia ser debatido. Como forma de socialização dos resultados, textos de diferentes gêneros textuais poderiam ser produzidos.

■ As atividades de pesquisa na escola: como superar suas inadequações?

Mais do que apontar como as atividades de pesquisa deveriam ser, é preciso pensar numa progressão curricular que deve ser construída tendo como princípio que toda pesquisa parta de uma questão/situação problema que emerja no grupo, na classe e/ou que tenha sido com ele pactuado.

Partindo dessa premissa, para a organização de um currículo que tenha como um dos eixos transversais o desenvolvimento de habilidades e a apropriação de procedimentos de pesquisa, é importante explicitar os tipos de pesquisa que podem ser trabalhados na escola e como esse trabalho pode ser proposto nos diferentes anos, no que diz respeito ao recorte das questões de pesquisa, à busca de informações e levantamento de dados, seu tratamento e análise e socialização dos resultados.

Em relação ao problema ou à questão de pesquisa, o recorte deve ser bem delimitado.

Nos anos iniciais, esse recorte pode ser fornecido pelo professor. Nos anos mediais e finais, um dos objetivos do trabalho pode ser exatamente estabelecer esse recorte.

Quanto aos tipos de pesquisa que podem circular na escola, com as devidas adequações e didatizações, merecem destaque a bibliográfica, o levantamento de dados, a experimental e a de campo (em geral, denominada “estudo do meio”). No presente artigo, trataremos apenas do primeiro tipo de pesquisa.

A pesquisa bibliográfica supõe a busca de informações/dados/respostas em livros, periódicos, impressos em geral e escritos em outros suportes/mídias e também em vídeo. No caso da escola, pode também incluir entrevista com especialistas ou com alguém que tenha vivenciado uma situação. Seu objetivo maior é conhecer as diferentes contribuições já dadas a respeito do tema em questão. Do ponto de vista de uma progressão para os ensinos Fundamental e Médio, é possível explorar:

Uma possibilidade de aplicativo para esse fim é o scoop.it, que permite a criação de blogs com materiais encontrados na web. Dois exemplos interessantes podem ser encontrados em:
http://www.scoop.it/t/animacao
http://www.scoop.it/t/ir-e-vir-vice-e-versa
Acesso em 23/5/2012.

O importante desse processo é não só dar lugar à voz dos alunos, mas também qualificá-la por meio da pesquisa; é colocar a leitura a serviço do dizer pela perspectiva não de revozear textos, mas de replicá-los, concordando com eles ou refutando-os, complementando- os, questionando-os, emocionando-se, indignando-se ou surpreendendo-se com eles, pela perspectiva de concretização de uma atitude responsiva ativa, tal como prevista por Bakthin (2003) e também por Rojo (2004, p. 2), que afirma:

"Mas ser letrado na vida e na cidadania é muito mais que isso: é escapar da liberalidade dos textos e interpretá-los, colocando-os em relação com outros textos e discursos, de maneira situada na realidade social; é discutir com os textos, replicando e avaliando posições e ideologias que constituem seus sentidos; é, enfim, trazer o texto para a vida e colocá-lo em relação com ela."

 

1. Geografia – 5º- ano. São Paulo: Moderna, 2009, p. 30. Coleção Conviver.

 

Jacqueline Peixoto Barbosa é mestre e doutora em linguística aplicada pelo Programa de Estudos Pós-Graduados em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (LAEL/PUC-SP); professora do Departamento de Linguística da PUC-SP. Atua com formação continuada de professores nas redes pública e privada.

Cristiane Cagnoto Mori é mestre em linguística pelo Instituto de Estudos da Linguagem da Universidade Estadual de Campinas (IEL/Unicamp); professora do Departamento de Linguística da PUC-SP. Atua com formação continuada de professores nas redes pública e privada.

 


Referências bibliográficas

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. Tradução, Paulo Bezerra. 4ª- ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

ROJO, Roxane Helena Rodrigues. “Letramento e capacidades de leitura para a cidadania”. Texto de divulgação científica elaborado para o Programa Ensino Médio em Rede, in: CD do Programa Ensino Médio em Rede, Rede do Saber/Cenpec/SEE-SP, 2004.

GERALDI, João Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

 

Revista Na Ponta do Lápis
Ano VIII
Número 20
Julho de 2012


Mais conteúdos sobre o Assunto

Comentários

Ver mais comentários
Adicionar comentário
Olá, visitante. Para fazer comentários e respondê-los você precisa estar autenticado.
Clique aqui para se identificar
Título
Comentário
Parceiros
Fundação Roberto Marinho
 
Futura
 
Undime
 
Consed
Coordenação técnica
Cenpec
Iniciativa
Itau
 
Ministerio da Educação
Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro
Cenpec - Rua Minas Gerais, 228 Higienópolis, CEP 01244-010 São Paulo/SP
Central de atendimento: 0800-7719310